A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) acusa a Europa de andar brincando com a vida de milhares de #Refugiados e imigrantes, que têm como principal objetivo entrarem na #União Europeia (UE) para procurarem e encontrarem uma vida com melhores condições, tanto para a sua família, como também para os seus amigos. 

Foi exigido por esta organização que o continente europeu crie várias passagens que sejam seguras para estas pessoas. Médicos Sem Fronteiras acusa ainda a Europa e também várias instituições e origem europeia de terem fracassado na gestão de toda a #Crise migratória mundial.

Foi publicado e divulgado na terça-feira passada, dia 19, um relatório que tem por base testemunhos de vários refugiados e imigrantes, e também de vários funcionários e trabalhadores da organização Médicos Sem Fronteiras.

Publicidade
Publicidade

Este relatório foi emitido com o principal objetivo de avaliar a situação atual da crise migratória a nível mundial. Este relatório resultou uma crítica por parte da organização de médicos à União Europeia, ao afirmar que todos os obstáculos que a Europa colocou nestas milhares de pessoas que querem chegar ao continente só serviu para tornar muito pior a situação atual da crise migratória. Mais de um milhão de refugiados e imigrantes foram influenciados pelos obstáculos criados pela União Europeia.

As Nações Unidas (ONU) decidiram avisar na terça-feira passada que várias zonas utilizadas pelos refugiados irão sofrer uma redução de temperaturas provocando uma vaga de frio. Foi dado ainda o alerta de que várias crianças refugiadas poderão chegar morrendo, já que podem não conseguir sobreviver ao intenso frio que atinge os locais que vão receber essas pessoas.

Publicidade

Estão previstas temperaturas muito negativas e também fortes tempestades de neve, principalmente na travessia dos Balcãs e ao longo da Turquia. A Unicef disse ainda que muitas crianças atravessam o mar Egeu com roupas muito finas e leves, que não irão proteger nada contra o frio que encontrarão nos locais citados anteriormente.