O jornal francês Charlie Hebdo publicou esta quarta-feira, dia 6, uma nova edição do jornal para "comemorar" o primeiro aniversário do atentado que tirou a vida a muitas pessoas no ano passado. Logo depois da publicação da nova edição do jornal francês, um jornal do Vaticano acusa o Charlie Hebdo de não respeitar de forma nenhuma qualquer crente de qualquer religião.

O Vaticano criticou o jornal satírico de origem francesa dizendo que parece que o Charlie Hebdo não quer respeitar os crentes das várias religiões que existem. O jornal do Vaticano referiu ainda que o jornal francês parece querer esquecer tudo aquilo que muitos dirigentes religiosos têm vindo a afirmar nos últimos tempos com o principal objetivo de terminar com a violência que se têm verificado nestes últimos tempos em nome da religião.

Publicidade
Publicidade

No jornal do Vaticano também vem uma mensagem do presidente do Conselho Francês do Culto Muçulmano (Anouar Kbibech) em que afirma que principalmente a capa desta nova edição do jornal Charlie Hebdo consegue ferir todos os crentes de todas as religiões que existem. 

O Charlie Hebdo decidiu lançar esta edição especial para tentar de alguma forma homenagear todos os mortos dos atentados terroristas que aconteceram à sede do jornal francês. O jornal decidiu que nesta edição deveriam estar as caricaturas feitas por alguns dos cartoonistas que perderam a vida neste atentado mas também os trabalhos de alguns cartoonistas que ainda trabalham para o jornal. Foi exatamente no dia 7 de janeiro de 2015 que se deu este atentado aos escritórios do Charlie Hebdo. Dois irmãos entraram na sede do jornal e começaram a matar algumas das pessoas que lá se encontravam reunidas.

Publicidade

Nesta nova edição do jornal consegue-se ver logo na capa uma imagem de um possível Deus com muita barba e representado com sangue nas mãos. Consegue-se observar ainda que o possível Deus representado pelos cartoonistas profissionais do Charlie Hebdo leva às costas uma arma, possivelmente uma Kalashnikov. Estima-se uma tiragem de cerca de um milhão de exemplares do jornal satírico francês. #Terrorismo #Ataque #Estado Islâmico