Uma sucessão de desmaios em cadeia forçou o comandante de um voo da American Airlines a proceder à aterrizagem do avião, no final da tarde desta quarta-feira, dia 28. O voo partia de Londres e tinha como destino os Estados Unidos da América, mas um estranho incidente obrigou a que fosse cancelado, no momento em que sobrevoava a Islândia. Os passageiros tiveram que ficar em um hotel durante a noite e desconhecem ainda quando terão novo voo e seguirão seu destino. 

O avião, um Boeing 777, tinha decolado pouco tempo antes quando os episódios de desmaio começaram acontecendo. Terão sido seis as pessoas a colapsarem no avião, mas muitos mais pedindo ajuda médica, simultaneamente.

Publicidade
Publicidade

Sem nenhum profissional de saúde a bordo, os passageiros entraram em pânico e o comandante não encontrou outra opção senão ordenar a aterrizagem forçada. 

Como o voo tinha decolado poucos minutos antes, a solução foi regressar para o mesmo aeroporto, em Heathrow, Londres. Quando aterrizaram, várias equipes médicas estavam esperando por eles. Alguns passageiros foram transportados de ambulância para o hospital, mas estariam todos conscientes e estáveis. Os restantes passageiros foram transportados para um hotel, onde acabariam por passar a noite, enquanto aguardam por um novo voo que os leve até Los Angeles. 

Má qualidade do ar no avião?

Apesar do sucedido ter acontecido enquanto o avião estava sobrevoando a Islândia, não existe ainda nenhuma correlação entre o país e o mau estar dos passageiros. A companhia aérea, American Airlines, está fazendo já uma investigação para o sucedido.

Publicidade

Segundo o jornal Daily Mail, existe a possibilidade dos desmaios terem acontecido pela má qualidade do ar do Boeing 777, uma vez que os desmaios e o mau estar geral começou pouco após a decolagem. 

"Foi tudo analisado e testado mas não foi detectada qualquer substância ou algo que pudesse ser um problema", declarou o porta-voz dos bombeiros, responsável pela primeira observação após a aterrizagem em Londres. 

O piloto do avião, que tem vinte anos de experiência de voo, também acredita que o problema estaria na má qualidade do ar, descartando a possibilidade de intoxicação alimentar.  #Acidente #sistema de saúde