Jean Todt esteve no Vaticano, onde se reuniu com o Papa Francisco. O homem que formou equipe imbatível na Fórmula 1, com Michael Schumacher, foi debater a segurança nas estradas, mas acabou fazendo um pedido bem especial para Francisco e juntos rezaram pelo antigo campeão do mundo, que se recupera de um grave acidente. 

O presidente da Federação Internacional Automóvel (FIA) continua sendo um dos melhores amigos de Michael Schumacher, o alemão que está atravessando uma recuperação bem lenta, desde que teve um acidente no esqui, há mais de dois anos. Sete vezes campeão do mundo de Fórmula 1, Schumacher venceu mais do que nenhum outro.

Publicidade
Publicidade

Após a carreira terminar, mas ainda com uma enorme legião de fãs, o ex-piloto causou consternação mundial em 29 de dezembro de 2013. Após anos correndo riscos dirigindo os mais velozes carros, Schumacher caiu no gelo, nos Alpes da Suíça, e os danos poderiam ser irreversíveis. 

Schumacher ficou seis meses em coma, acordou, mas não se sabe muito sobre seu estado de saúde atual. A família e assessoria não contam muito sobre a evolução das lesões mas, o ex-campeão alemão já se encontra em sua casa, junto da família. Para ajudar na recuperação, estariam quinze profissionais de saúde. 

Jean Todt pediu ajuda a Francisco

Milhões de fãs por todo mundo continuam torcendo para que Schumacher possa se recuperar. Jean Todt foi mais um, no dia em que teve a "oportunidade" certa para pedir ajuda. Aproveitando o debate com o Papa Francisco, Todt pediu para que Francisco rezasse por Schumacher. 

"Eu pedi se ele queria fazer uma oração para Schumacher e ele aceitou prontamente.

Publicidade

Foi uma coisa extraordinária", revelou Jean Todt após rezar junto de Francisco pelo grande amigo. 

No Vaticano por mais segurança nas estradas

Para além de ser presidente da FIA, Jean Todt é enviado especial das Nações Unidas para a Segurança nas Estradas e se encontrou com Francisco, no Vaticano, para tentar travar os números da mortalidade. Jean Todt contou para a rádio Vaticana o conteúdo de sua conversa com o Papa, a quem revelou alguns "números que não são muito conhecidos", como os 50 milhões de feridos nas estradas todos os anos, e mais de um milhão de mortos. Por dia, morrem 500 crianças nas estradas por todo o mundo e 20 mil ficam feridas. 

Números assustadores que prenderam a atenção de Francisco que garantiu que vai acompanhar a campanha de Jean Todt e recordar as vítimas em suas orações.  #Automobilismo #Religião