A polícia já identificou 32 suspeitos responsáveis pelos crimes e agressões sexuais que se têm verificado na região mais a oeste da Alemanha (Colônia). O comissário das autoridades alemãs já foi suspenso de todas as suas funções na polícia porque foi acusado de não reagir a onda de agressões sexuais que se fizeram sentir durante a noite da passagem de ano novo (noite de 31 de dezembro de 2015).

Foram feitas no total, mais de 170 queixas, das quais a maioria é de agressões a nível sexual contra mulheres durante a noite da passagem de ano. As autoridades locais já conseguiram localizar 31 suspeitos responsáveis por esta onda de crimes que se têm sentido em Colônia.

Publicidade
Publicidade

Destes 31 suspeitos, 18 deles são refugiados ou migrantes que estão a habitar neste momento na Alemanha porque decidiram sair do seu país com o principal objetivo de fugir aos conflitos e guerras que se têm verificado na Síria.

Destes 31 suspeitos da polícia, dois foram já detidos. O primeiro detido pelas autoridades alemães foi um jovem de apenas 16 anos. Foi também detido outro jovem de 23 anos. De acordo com os dados recolhidos pelo jornal "Público", o suspeito mais novo que foi detido já era anteriormente conhecido pelas autoridades locais por ser um dos carteiristas mais conhecidos nesta região mais a oeste da Alemanha.  

Por outro lado, alguns líderes alemães anunciaram hoje, 08 de janeiro, que apoiam que todos os #Refugiados ou migrantes que sejam condenados por qualquer tipo de #Crime devem ser de imediato enviados para o seu país de origem para que possam cumprir a pena de prisão no seu país.

Publicidade

Esta medida tem sido analisada nestas últimas horas depois do presidente do Partido Social Democrata (SPD), e também do vice-chanceler alemão, terem divulgado a sua opinião em relação a esta questão da expulsão da Alemanha de todos os refugiados ou migrantes que sejam condenados.

De acordo com a lei agora estabelecida na Alemanha, apenas podem ser expulsos do país os refugiados que forem condenados a mais de dois anos de prisão. #Crise migratória