Enquanto no Brasil muita gente se assustou com 19,4% de abstenção em 2014; o que equivale à cerca de 27 milhões dos pouco mais de cento e quarenta milhões de brasileiros que não foram às urnas; em Portugal 52,1% dos eleitores não votaram, o que equivale à quase 5 dos 9,7 milhões de eleitores do país.

A abstenção permitiu que Marcelo Rebelo de Sousa ganhasse a eleição para presidente de Portugal com mais de 50% dos votos, descartando a necessidade de um eventual segundo turno.

Rebelo é um político conservador, entretanto, que procura ter bom relacionamento com os opositores da esquerda: os socialistas. Esse posicionamento diante dos adversários é bem diferente do atual presidente Cavaco Silva.

Publicidade
Publicidade

O novo presidente de Portugal já é conhecido da população devido a sua longa trajetória como comentarista de TV. Também é advogado e professor de direito constitucional de Portugal. O discurso de sua vitória ocorreu quando cerca de 95% das urnas já haviam sido apuradas.

Apesar do número elevado de abstenção, em 2011 esse número foi ainda maior, quando 53,48% da população apta a votar faltou no dia das #Eleições. Mesmo com o baixo número de adesão as eleições, os portugueses não parecem insatisfeitos com o sistema político atual, não havendo demonstrações de insatisfações contra o governo. Da mesma forma, não houve registros de incidentes com militantes de um dos candidatos derrotados ou dos torcedores de Rebelo.

O novo presidente disputou o cargo máximo do Estado português com outros dez candidatos, sendo a maioria deles socialistas e um comunista.

Publicidade

Um novo presidente inovador

Rebelo de Sousa possui apoio de dois importantes partidos de direita: o CDS e o PSD, partido de Cavaco Silva. Entretanto, acabou se afastando dos dois partidos devido aos constantes conflitos políticos que marcaram o governo anterior. Por isso, antes mesmo de vencer as eleições presidenciáveis de Portugal já havia declarado que não queria ser presidente de um partido, mas sim um 'arbitro' que esteja acima de possíveis confusões. #Europa #Eleições 2016