Neste domingo, logo ás 9 horas da manhã, iniciaram-se as #Eleições presidenciáveis de Portugal. 9,7 milhões de portugueses foram esperados às urnas para eleger um dos candidatos como novo presidente luso. Essa é a primeira vez que tantas pessoas são convocadas para votar em Portugal.

Antes mesmo do resultado oficial, as pesquisas já mostravam que Marcelo Rebelo de Sousa, do mesmo partido do atual presidente, Cavaco Silva, venceria com folga e sem necessidade de um segundo turno. Os principais adversários de Rebelo nesse pleito foram candidatos socialistas: o ex-reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio e a ex-ministra da saúde, Maria de Belém.

Publicidade
Publicidade

O candidato foi eleito com quase 53% dos votos, eliminando a chance de segundo turno. Rebelo é um político conservador que deve dar continuidade nos trabalhos iniciados por Cavaco Silva.

Quem é Rebelo

Rebelo é professor de direito constitucional e comentarista de TV. Sua campanha política abriu mão da publicidade maçante com panfletos e cartazes, priorizando o contato direto com os eleitores. O professor está com sessenta e sete anos e é famoso no país por causa de sua carreira na televisão.

Diferente de Aníbal, que encerra o seu segundo mandato consecutivo, Rebelo se mostra um pacificador quando o assunto é a esquerda. Logo, acredita-se que haverá diálogo político e até parcerias de seu governo com a esquerda. Rebelo pertence a direita, mas já deixou claro que não quer ser o presidente de um partido, mas sim dos portugueses.

Publicidade

52,1% do eleitorado não compareceu às urnas nesse ano, mas o número foi inferior à última eleição, em 2011, quando Cavaco Silva sagrou-se vencedor. Na época, 53,48% dos eleitores deixaram de exercer o direito ao voto.

Apesar da elevada abstenção, os portugueses se mostram indiferentes com a vitória do candidato, não havendo conflitos ou comemorações excessivas entre os que possuíam um candidato preferido. Com 95% das urnas apuradas já foi realizado o discurso da vitória de Rebelo, sendo transmitido pela televisão. #Europa #Eleições 2016