Um míssil atingiu este domingo, dia 10, um dos hospitais dos Médicos Sem Fronteiras no Iémen, tendo provocado 4 mortes e também 10 pessoas ficaram com ferimentos. De acordo com os dados recolhidos pela organização, tanto a aviação saudita como também todos os rebeldes xiitas sabiam onde estava localizado naquele momento o hospital de apoio às pessoas com ferimentos.

Foi Raquel Ayora, uma das responsáveis por todas as operações do Médicos Sem Fronteiras no Iémen que aproveitou para divulgar ao mundo que duas grandes entidades (aviação saudita e rebeldes xiitas) sabiam muito bem onde se encontrava o hospital que estava prestando auxílio a todas as pessoas que estavam precisando. De acordo com essa responsável pelas operações no Iémen, as duas entidades conseguem ter sempre acesso às coordenadas de GPS dos vários hospitais que a organização prepara para prestar auxílio.

Publicidade
Publicidade

Raquel Ayora acrescentou ainda que seria muito pouco provável que alguém que tem a capacidade de lançar rockets e também preparar raides aéreos não tivesse acesso à localização do hospital Shiara que se encontrava em funcionamento no momento do #Ataque aéreo.

O míssil que foi atirado por via aérea atingiu vários andares do hospital Shiara tendo provocado a sua imediata destruição. Dos 10 feridos, 3 deles são funcionários da organização, sendo que dois deles encontram-se em estado muito grave no hospital, recebendo apoio médico. Já é o terceiro ataque que o Médicos Sem Fronteiras sofre neste país em poucos meses. Muitos hospitais desta organização já ficaram destruídos devido aos danos provocados pelos ataques aéreos. 

Segundo dados recolhidos pela própria organização, este ataque foi o pior de todos.

Publicidade

Por exemplo, em outubro do ano passado os Médicos Sem Fronteiras ficaram sem mais uma das suas clínicas, porque também foi destruída por um ataque aéreo, mas no entanto, ninguém saiu ferido desse ataque. O outro ataque que a organização sofreu aconteceu dois meses depois, quando um dos centros móveis da organização situado em Taiz ficou também destruído mas, dessa vez, resultaram nove feridos. #Estado Islâmico #Medicina