Vladimir Putin continua muito envolvido na guerra contra o Estado Islâmico na Síria, mas hoje (4) o jornal online Daily Sabah Europe publicou uma notícia que pode causar muita polêmica para o lado da Rússia. Esse jornal noticiou que um grupo de jornalistas independentes identificou 20 soldados russos que participaram no abate do voo da MH17 da Malaysian Airlines, um avião que caiu, depois de ter sido atingido por um míssil quando sobrevoava a Ucrânia no dia 17 de julho de 2014.

Um grupo de jornalistas de investigação britânicos, com o nome de código “Bellingcat” investigou a queda do MH17 e diz ter chegado à conclusão, de que o mesmo foi abatido por um lança mísseis móvel da Rússia, um BUK.

Publicidade
Publicidade

Segundo o relatório, a arma militar estaria em poder da 53ª brigada anti-área do exército de Vladimir Putin, uma unidade militar com base na cidade russa de Kursk, mas que naquele dia estava realizando manobras militares junto da fronteira ucraniana.

O Bellingcat apresentou filmagens para comprovar a sua teoria. Nas gravações o veículo BUK é mostrado antes e depois da queda do avião. Antes da queda o BUK estava completamente carregado de mísseis, no entanto, depois da queda, o BUK voltou a aparecer nas imagens sendo claramente visível a falta de pelo menos um dos mísseis.

Entretanto, um dos procuradores de justiça holandeses que estão investigando o caso, já afirmou que receberam o relatório do grupo de jornalistas independentes alguns dias antes do Natal. O mesmo procurador admitiu que a investigação vai olhar para o relatório com seriedade e abrir um inquérito para averiguar todas as alegações.

Publicidade

Acusações entre Ucrânia e Russia

O avião MH17 da Malaysia Airlines foi abatido, em pleno ar, enquanto sobrevoava a fronteira entre a Rússia e a Ucrânia a 17 de julho de 2014. Os investigadores concluíram que o aparelho caiu depois de ter sido atingido por um míssil BUK. No acidente morreram todos os 298 ocupantes, na sua maioria holandeses. Depois da queda do avião foram feitas acusações de parte a parte. A Ucrânia e muitos países do Ocidente acusaram a Rússia de ter abatido o MH17, enquanto que Moscou negou as acusações e apontou o dedo ao exército da Ucrânia.

Investigação poderá não ser bem-sucedida

A Holanda tem sido o país mais empenhado em tentar encontrar os responsáveis pela queda do MH17, porém, muitos especialistas têm afirmado que dificilmente os procuradores conseguirão chegar aos responsáveis. Com esse novo relatório da “Bellingcat” esperam-se agora novos desenvolvimentos e que, no mínimo, alguns dos soldados russos identificados venham a divulgar a sua versão dos acontecimentos.

O que acha sobre esse relatório? Acha que a justiça holandesa vai conseguir chegar à verdade? Escreva a sua opinião nos comentários! #Ataque #Guerra Civil