As pessoas em vários países podem afirmar corretamente que o “cenário do mundo” nunca mudou com tamanha rapidez como agora, nos mais diferentes campos de influência humana, tais como: política, relações diplomáticas internacionais, militarismo, interesses econômicos mútuos e antagônicos entre os povos; enfim, é como se viver hoje em dia, fosse uma enorme partida de xadrez no cenário mundial, onde no final um país sempre pode (ou deveria) dar “xeque mate” no outro. 

Este é um fenômeno globalizado, que abrange desde as pequenas nações e ilhotas espalhadas pelos oceanos até as superpotências e continentes com um todo. Por exemplo, muito embora existam as disputas de territórios entre a Rússia e o Japão em torno de um número considerável de ilhas, o governo do Kremlin encontra-se esperançoso no que chama de investimento de melhorias das relações diplomáticas em um 1.º nível com o Governo do Japão. 

Tanto é assim, que o ministro dos #Negócios Estrangeiros da Rússia, chefe da diplomacia mor do país, Serguei Lavrov, que esteve muito em voga atualmente pela derrubada do avião de combate russo SU-24 pela Turquia e pela atuação militar russa na Síria, acabou de receber o vice-presidente do Partido Liberal Democrático japonês (que inclusive é o partido que ocupa o poder neste momento no país do sol nascente) e que foi também o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Masahiko Komura

Na semana passada a Coréia do Norte diz ter acionado uma bomba de hidrogênio como parte do seu programa nuclear, o que fez com que os #EUA incrementassem a instalação de defesas antimíssil instaladas na Coréia do Sul e inclusive, os norte-americanos no último domingo fizeram uso da demonstração de seu poderio bélico com o sobrevoo de um bombardeiro B52, chamado de “fortaleza voadora”, na Coréia do Sul, bem próximo a fronteira norte-coreana. 

Lavrov aproveitando-se do seu encontro com o líder japonês, não deixou de externar a sua preocupação com tudo o que está acontecendo na península coreana e destacou que Moscou visa desenvolver as relações bilaterais e até em âmbito internacional maior com os vizinhos do Japão.

Publicidade
Publicidade

“Esperemos que os nossos amigos japoneses também estejam abertos a esta relação, sem quaisquer restrições”, reforçou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov. 

Hoje o principal ponto de discordância na relação entre os dois países em questão, continua sendo sobre as ilhas Curilas, situadas no norte do Japão e que atualmente fazem parte do território geográfico da Rússia; entretanto, é solicitado com veemência pelo Governo em Tóquio, que os russos devolvam as ilhas, particularmente as ilhas de Shikotan, Kunashir e Iturup, sendo que o 1.º ministro russo Dmitri Medvedev visitou essa última ilha no verão do hemisfério norte, o que só fez aumentar a tensão em torno do tema da disputa territorial entre russos e japoneses. #Europa