Além de ser o protagonista da política internacional em 2015, Vladimir Putin começou o ano dando uma boa notícia para os russos e para o mundo. O presidente da Rússia comunicou que o país está produzindo um medicamento contra o vírus #Ebola e que se mostrou muito mais eficiente do que os remédios usados atualmente em todo o mundo.

Há algum tempo a primeira ministra russa, Olga Golodets, já havia comunicado que o país havia realizado testes com o medicamento e que estes tinham sido um sucesso. Em dezembro, Ana Popova, chefe dos serviços russos de ‘proteção ao consumidor’ protocolou os documentos necessários para se obter a patente e autorização para distribuir o medicamento, agora fora da fase de testes.

Publicidade
Publicidade

Nesse primeiro momento, como aguarda as autorizações finais, o medicamento pode ser usado apenas em casos específicos e em ensaios clínicos. Em breve poderá ser comercializado normalmente, inclusive para outros países.

O surto de Ebola, que ocorreu em países africanos e logo começou a fazer vítimas de outros lugares do mundo, desde que foi comunicado em 2013, fez quase vinte e nove mil vítimas, sendo que destas, mais de onze mil não resistiram à doença. A OMS divulgou que o surto de Ebola na Libéria, Guiné e Serra Leoa estão controlados, mas que surgem alguns casos ‘isolados’ da doença em outros países da África, entretanto, segundo a organização, já tomando as devidas medidas para erradica-la de vez.

Rússia no centro das atenções do mundo

Ano passado os Estados Unidos perderam o posto de país mais influente e poderoso para a nação governada por #Vladimir Putin, que foi, inclusive, considerado o homem mais influente do mundo em 2015, segundo uma pesquisa israelense.

Publicidade

Além de sua estratégia ser a mais viável para combater o terrorismo na atualidade, ele também protagonizou acusações contra os #EUA, bem como das sanções econômicas contra a Turquia após ter um de seus caças abatidos pelos turcos. Putin acusou a Turquia de ser cúmplice dos terroristas. Pouco tempo depois um jornalista turco foi preso por divulgar um vídeo que mostra que o governo turco vendia armas para os jihadistas.