Uma matéria publicada pelo Jornal americano Washington Post, em dezembro de 2015, afirma que os Estados gastam bilhões de dólares em projetos negros e macabros denominados Projetos Especiais. Essas informações foram obtidas com o ex-técnico da NSA Edward Snowden.

Segundo o relatório de Snowden, esses projetos são tão secretos, que nem mesmo o presidente Barack Obama, tem acesso a essas informações. Primeiro porque não ele possui uma autorização especial, segundo porque não há necessidade dele saber o que se passa por trás de tais projetos. Uma lei criada pelo senado americano em meados de 1997, descreve tais projetos como ''Projetos Especiais'' de acesso restrito, os quais não precisam ser reportados ao Congresso Americano e nem ao presidente.

Publicidade
Publicidade

Segundo o jornal americano, os gastos nesses projetos já ultrapassa a casa dos 50 bilhões de dólares por ano. E a maior parte destes financiamentos vão para pesquisas em caráter oficial não-existentes.

Recentemente o ex-secretário de defesa do Canadá, Paul Hellyer ( único político integrante do G8 a falar sobre o assunto) concedeu uma entrevista para o canal de TV Rússia Today, onde ele fez a seguinte afirmação. '' Os Estados Unidos tentam criar guerras apenas para testarem suas armas. É irônico afirmar que os Estados Unidos lutam em guerras caras afirmando que levarão a democracia aos países invadidos, enquanto eles próprios não podem ser chamados de um país democrático. Há bilhões de dólares sendo gastos em projetos ultrasecretos neste exato momento. O pior de tudo é que o Congresso Americano e nem próprio presidente estão cientes disso'' conclui Hellyer.

Publicidade

Em meados 2001 Donald Rumsfield, ex-secretário de defesa dos Estados Unidos, afirmou no comitê da câmara, que os sistema financeiros do Ministério de Defesa não conseguia explicar os gastos em torno de vinte e seis bilhões de dólares em transações não existentes.

Até o prezado momento, o Washington Post já havia publicado um série com 178 matérias com ênfase nesses Programas Especiais. O jornal alega que as testemunhas que foram contactadas após a publicação da notícia demonstram certa preocupação e medo de sofrerem represálias.  #Entretenimento #Curiosidades