A Suécia começou a efetuar controles de identidade dos passageiros que chegam da Dinamarca e da Alemanha, em uma tentativa de abrandar o número de #Refugiados que reivindicam asilo no país. Até esta semana, os viajantes entravam na Suécia livremente de carro, trem e balsa pela fronteira dinamarquesa.

Agora eles vão ter que desembarcar e mostrar sua carteira de motorista ou passaporte antes de serem autorizados a continuar a viagem. A pessoa que não tiver um documento válido de identificação será barrada e não entrará no país.

A nova política de alfândega causou alguns atrasos nesta segunda-feira (4), em particular para os passageiros que vivem na Suécia e trabalham na Dinamarca, cerca de 75.000 pessoas atravessam a ponte Oresund  todos os dias, entre os dois países.

Publicidade
Publicidade

A Suécia teve mais de 160 mil pedidos de asilo em 2015, mais que o dobro do ano anterior. Quando o fluxo de refugiado atingiu seu ápice, cerca de 10.000 refugiados entraram por dia no país.

Em dezembro, o governo sueco declarou que o grande número de chegadas de refugiados eram "uma ameaça grave para a ordem pública e a segurança interna", o que forçou a introduzir uma nova legislação que permite verificação da identidade das suas fronteiras, entre outras medidas. A legislação é temporária e tem validade de três anos.

O número de refugiados que chegam à #Europa caiu dramaticamente, devido às políticas de identificação que ficaram mais rigorosas nas fronteiras da Turquia e outras nações da UE, outro fator que contribuiu para a diminuição do fluxo de imigrantes foi a clima gelado no qual os países europeus estão passando.

Publicidade

Na Alemanha, onde é o destino da maioria dos refugiados, os números caíram para cerca de 3.000 requerentes de asilo por dia, de acordo com a Polícia Federal do país.

A nova política da Suécia levou o primeiro ministro da Dinamarca, Lars Lokke Rasmussen, a anunciar nesta segunda-feira, 5, que o seu país irá impor controles aleatórios de ID na sua fronteira com a Alemanha nos próximos 10 dias, com a possibilidade de estender por mais 20 dias.

Em resposta, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, Martin Schaefer, disse a jornalistas que a crise dos refugiados estava colocando a Europa "em estado de perigo".

A Suécia é o mais recente país da UE a instalar controles de identificação fronteiriços mais fortes em resposta à crise de refugiados. Outros países como Alemanha, Áustria e França já fazem este controle há alguns meses. #Crise migratória