A polícia israelense disse, nesta quarta-feira (20), que prendeu um segundo jovem judeu suspeito de danificar uma famosa #Igreja de Jerusalém com pichações anti-cristã no início desta semana.

Micky Rosenfeld, responsável da polícia local, disse que o jovem de 16 anos foi preso depois de uma "investigação intensa" na terça-feira (19), dois dias após o vandalismo ser descoberto na Abadia da Dormição, onde os cristãos acreditam que a Virgem Maria morreu. Um suspeito adicional de 15 anos, foi preso nesta quarta-feira (20), disse a polícia.

A pichação incluiu ameaças de violência, mensagens degradantes de Jesus e um apelo para os cristãos "irem para o inferno."

Acredita-se que o adolescentes são do mesmo grupo de extremistas judeus que levou a cabo uma série de atos de vandalismo semelhantes nos últimos anos, em retaliação a ataques palestinos ou em protesto contra o que eles percebem como as políticas pró-palestinas por parte do governo.                                                                        

O vandalismo tem causado prisões extraordinariamente rápidas por parte das autoridades israelenses.

Publicidade
Publicidade

Gilad Erdan, ministro de Segurança Pública de Israel, disse que instruiu a polícia a dar prioridade ao caso. Os líderes israelenses e os ataques de vandalismo em propriedade cristã são fortemente condenados pelas autoridades.

A Abadia da Dormição, um mosteiro beneditino nos arredores da Cidade Velha de Jerusalém e local popular para os peregrinos e turistas, tem sido alvo de vários ataques nos últimos anos.                                                                  

Este mês, Israel prendeu um israelense de 20 anos de idade e um menor israelense por um incêndio criminoso na Abadia da Dormição, em 2014, e por atear fogo à Igreja da Multiplicação dos Pães e Peixes, às margens do Mar da Galiléia no verão passado. Eles foram acusados ​​de pertencerem a uma organização terrorista ao lado de dois outros julgados por bombardeamento de uma aldeia da Cisjordânia, um #Ataque que matou uma criança palestina e seus pais.

Publicidade

#Crime