Dezenas de pessoas; adultos e crianças; já morreram de fome na cidade de Madaya. Não se trata de uma sociedade tribal da África ou de um país sem alimentos, mas da Síria, um país com guerras intermináveis onde milhares de inocentes já tiveram suas vidas ceifadas.

Os moradores não têm para onde correr: de um lado, soldados do exército de Assad e do Hezbollah cercando a cidade, do outro, minas enterradas no chão. A cidade fica à poucos quilômetros da fronteira com o Líbano, mas essa proximidade, ainda é muito longe para quem não tem saída: esse é o pensamento de mais de quarenta mil pessoas que estão passando fome na cidade por não receberem ajuda humanitária devido os conflitos armados.

Publicidade
Publicidade

Para conseguir sair da cidade e comprar comida 'em segurança', os moradores que possuem algum dinheiro precisam subornar os soldados. O cerco já dura pouco mais de seis meses e várias pessoas já não resistiram e morreram. Outras são fotografadas por ativistas, visivelmente magras pela situação precária que estão vivendo.

As forças de segurança da Síria impedem que alimentos e remédios sejam levados ao local e a Reuters chamou este ato de 'Campanha de Fome'. Há países e organizações dispostas à ajudar, mas não é possível levar essa ajuda aos que precisam.

Para o Hezbollah, o objetivo é evitar que membros da Frente Al-Nusra entre na Síria, mas quem tem sofrido as consequências dessa 'vigilância', tem sido às milhares de pessoas que moram na cidade, muitas delas crianças e idosos, bem como pessoas com alguma enfermidade.

Publicidade

O desespero é tanto que há relatos de que as pessoas têm comido plantas, gatos e até insetos para não morrerem de fome. O interprete sírio do jornal The Times divulgou uma fotografia de moradores da cidade pedindo ajuda do Papa e das Nações Unidas para acabar com a situação em que vivem.

Veja a foto divulgada por Raed Bourhan:

Como se não bastasse tanto terror, as Nações Unidas informaram que existe cerca de um milhão de pessoas na Síria vivendo em zonas que não podem mais receber alimentos e medicamentos, o que assusta a comunidade internacional quanto a proporção de pessoas que podem morrer por fome no Oriente Médio.

A triste #Guerra Civil na Síria não começou recentemente, mas já dura pouco mais de cinco anos e desde o ano passado, quando para piorar o Estado Islâmico dominou grande parte do território sírio, cerca de cinquenta e cinco mil pessoas foram mortas, dentre elas, quase três mil crianças. #Estado Islâmico #Violência