Segundo o diário "Blid", foi afirmado nesta sexta-feira, dia 8 de janeiro, que, tanto o vice-chanceler alemão, como também o presidente do Partido Social Democrata (SPD), defendem e apoiam que todos os refugiados ou migrantes que sejam a partir de agora condenados por determinados crimes devem ser de imediato expulsos do país. 

De acordo com os dados recolhidos pelas autoridades alemães, foram feitas 120 queixas principalmente por agressões sexuais apenas na noite da passagem de ano (31 de dezembro de 2015), em Colônia (região mais a oeste da Alemanha). Quando saíram estes dados, o vice-chanceler alemão decidiu imediatamente que apoia que todos os #Refugiados e migrantes que sejam condenados por qualquer motivo devem ser logo em seguida expulsos do país. 

Sigmar Gabriel, ministro da Economia e Energia na coligação, declarou que neste momento estão sendo feitos estudos com o principal objetivo de tentar de forma legal, enviar todos os refugiados e migrantes que tenham cometido qualquer tipo de #Crime na Alemanha para o seu país de origem.

Publicidade
Publicidade

Neste momento, de acordo com a lei alemã agora estabelecida, só os refugiados com penas de mais de dois anos de prisão podem ser expulsos da Alemanha, sem qualquer problema.

Depois desta declaração, o ministro da Economia e Energia na coligação acrescentou ainda que é urgente que todo o processo de expulsão de todos os migrantes e refugiados que tenham cometido crimes deve ser o mais rapidamente possível melhorado para que a condenação destas pessoas seja ainda mais rápida e eficiente.

O principal objetivo desta medida é que os refugiados criminosos possam cumprir a pena de prisão nos seus países de origem e não no país onde tenham cometido o crime.

"A Alemanha tem de estar neste momento disponível para poder fazer pressão sobre alguns países, com o objetivo de estes aceitarem o regresso para o seu país todos os migrantes e refugiados que tenham cometido qualquer tipo de crime no estrangeiro, e que tenham sido condenados por esse mesmo motivo", afirma Sigmar Gabriel.

Publicidade

#Crise migratória