A #Doença, que inicialmente muitos acreditavam que só podia causar danos à recém nascidos que tiveram suas mães infectadas antes do parto, surge como uma avalanche. Os sintomas são parecidos com os da dengue, mas nos casos mais graves os pacientes podem ficar com paralisações em alguma parte do corpo.

Apesar dos casos de zika serem noticiados diariamente, muita gente só se deu conta que a doença podia prejudicar qualquer um, depois que um jornalista teve parte do rosto paralisado por causa do vírus zika. Segundo Felipeh Campos, ex-participante do reality ‘A Fazenda’, seu estado só se tornou tão grave porque o vírus zika ainda é uma novidade para a medicina e não o diagnosticaram desde o início com a doença, há pouco mais de dois meses.

Publicidade
Publicidade

Com isso dezenas de casos começaram a ser divulgados de pessoas em diversas partes do mundo que estavam com os sintomas da doença. Vale ressaltar que essa não é uma doença brasileira, como alguns meios de comunicação dão a atender, mas é uma enfermidade causada pelo Aedes aegypti, mesmo mosquito causador da dengue e chikungunya, estando presente em todos os locais secos e que possuem água parada, comum em países tropicais ou durante o verão. O Brasil encontra-se no verão e essa é a melhor época para o aedes se reproduzir e causar vítimas.

Os países com menores incidência desses mosquitos são os da Europa, pois durante quase todo o ano a umidade do ar desses países é relativamente baixa em relação aos demais continentes, o que dificulta a proliferação dos mosquitos.

Desde o ano passado, vários países têm sofrido com a doença.

Publicidade

Já em março de 2015, quatro casos foram identificados na Itália. Nos Estados Unidos, o número de enfermos chegou à 12. No sábado, 23, três casos foram confirmados pelo NHS no Reino Unido. Os pacientes tinham realizado viagens para a América Latina, concluindo-se que foram picados durante a viagem. Entretanto, esses enfermos não passaram pelo Brasil, mas sim pela Guiana, Colômbia e Suriname.

Na Espanha foram identificados mais dois casos na última sexta-feira, 22. Portugal também divulgou a confirmação de quatro casos. No mesmo dia os EUA anunciaram três casos de americanos com testes positivos para o vírus zika. Israel também foi a público para confirmar seu primeiro caso de zika.

Segundo especialistas, todos os pacientes que são tratados desde o começo da doença se recuperam completamente sem sequelas, entretanto, muitos hospitais e clinicas não estão adaptados a esse tipo de doença e podem acabar fazendo um ‘atendimento padrão’, não solicitando exames ou os fazendo, mas tratando o paciente como se estivesse com outra enfermidade. A falta de vacinas e medicamentos específicos também podem prejudicar o pronto restabelecimento do enfermo. #Organização Mundial de Saúde #Zika Vírus