O clima anda cada vez mais tenso no Oriente Médio e Bashar Assad, presidente sírio, está convencido de que a Turquia não está blefando e que pode sim ocorrer uma invasão turca em território sírio.

Em entrevista à agência AFP, Assad disse que Erdogan, presidente da Turquia, é um fanático religioso que vive o ‘sonho otomano’ com suas inclinações à ‘Irmandade Muçulmana’. Mesmo com toda a lógica dizendo que a Turquia e a Arábia Saudita não arriscariam invadir o território sírio, pois isso geraria uma guerra do qual a Rússia sairia em defesa da Síria, Bashar não descarta essa possibilidade, pois ‘coisas desse tipo’ acontecem quando ‘pessoas irracionais’ estão no poder.

Publicidade
Publicidade

Segundo Assad, Erdogan e a Arábia Saudita acreditam que tem uma ‘missão islâmica’ na Síria e não medirão esforços para colocar seu fanatismo em prática. Para o presidente turco, lutar contra o #Terrorismo é ir contra a política islâmica de Erdogan.

Em novembro do ano passado, o diretor de um jornal turco foi preso por divulgar um vídeo que mostrava o governo da Turquia vendendo armas para os terroristas na fronteira. Erdogan começou a censurar a imprensa desde então e disse que o responsável pela divulgação pagaria pelo que fez. Vladimir Putin, inclusive, já acusou a Turquia de ser cúmplice dos jihadistas.

Luta pelo petróleo

Diversos meios de comunicação levantaram a hipótese de que a coalizão americana estaria mais interessada no petróleo sírio do que no combate ao terrorismo, mas Assad considera que a guerra de poder vai muito além, pois Erdogan e companhia veem o colapso que ocorreu no Egito, Líbia, Síria e Tunísia como algo pessoal e querem ‘restabelecer’ as coisas como acreditam ser o certo.

Publicidade

A estratégia de combate ao terrorismo adotado pela Rússia e seus aliados, como a Síria, já foi elogiada por vários chefes de Estado e políticos, inclusive, Donald Trump, candidato à presidente dos Estados Unidos. 

Parceria com a Rússia

Assad disse que apesar de ser uma potência militar, a Rússia nunca tratou a Síria como um país pequeno, mas age respeitosamente com o mesmo, lidando de um país soberano para o outro.

Com essa relação de reciprocidade e respeito, Bashar afirma que a Rússia nunca sugeriu que ele deixasse o poder, pois a Rússia não age com poder sobre os demais países, ao contrário dos Estados Unidos e seus aliados que querem derrubá-lo, seja através de uma renúncia ou a força.

Futuro político

Assad não cogita sua renúncia e disse que continuará sendo presidente mediante duas condições: ele precisa querer continuar como presidente e a maior parte do povo deve compartilhar da mesma decisão.

As próximas eleições ainda têm anos para chegar e Assad quer se focar no extermínio do Estado Islâmico e demais grupos que venham agir na Síria, deixando o futuro para decidir depois. Além disso, avisa, que se Erdogan e cia invadirem a Síria, o exército sírio irá confrontá-los. #Ataque #Guerra Civil