Os Emirados Árabes Unidos (EAU) dizem estar prontos para enviar tropas terrestres para a Síria, como parte de uma coalizão internacional para lutar contra o Estado Islâmico do Iraque e na síria.

O anúncio do governo dos Emirados Árabes veio poucos dias depois da Arábia Saudita expressar a mesma posição,  declarando que estaria pronta para combater em terra o estado islâmico na Síria, em uma coalizão liderada pelos Estados Unidos.

"Nossa posição em todo tem sido que uma verdadeira campanha contra o Isis, tem que incluir uma força terrestre", disse o ministro dos EAU de Estado dos Negócios Estrangeiros Anwar Gargash disse em uma entrevista coletiva em Abu Dhabi no domingo. Gargash acrescentou que "a liderança seria dos EUA " que seria um requisito para a mobilização dos Emirados Árabes.

Publicidade
Publicidade

Desde setembro de 2014 a Arábia Saudita mantém ataques aéreos contra o Isis na Síria, mas na última quinta-feira, anunciou que estaria pronta, para combates terrestres.

"Nós sabemos que os ataques aéreos não podem ser suficientes e que é necessária uma operação terrestre. Precisamos combinar ambos para alcançar melhores resultados no terreno", disse o brigadeiro-general Ahmed Asseri Al Jazeera na quinta-feira.

Síria ameaça qualquer intervenção estrangeira

A Síria, no entanto, respondeu advertindo contra a intervenção estrangeira, ameaçando todos os soldados do exército estrangeiros que entrarem no país sem o acordo do governo do presidente Bashar al-Assad.

"Qualquer intervenção terreno na Síria, sem o consentimento do governo sírio, será considerada uma agressão que deve ser combatida por todos os cidadãos da Síria", disse o ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Muallem, no sábado. "Lamento dizer que eles vão voltar para casa em caixões de madeira."

Muallem parecia muita  confiança a partir dos recentes avanços militares do governo, contra os rebeldes de oposição em Aleppo acreditando estar "no bom caminho" para ganhar a #Guerra Civil de cinco anos.

Publicidade

"Goste ou não, as nossas realizações no campo de batalha indicam que estamos caminhando para o fim da crise", disse Muallemele. #Ataque #Ataque Terrorista