O mosquito Aedes Aegypti tem feito a festa na América do Sul e do Norte. Enquanto as pessoas festejaram Natal, Ano Novo e agora o carnaval, o mosquito está se reproduzindo e arranjando novas vítimas e um colombiano conseguiu adquirir as três doenças transmitidas pelo mosquito de uma só vez.

O paciente tem quarenta e nove anos e viajou para algumas regiões da Colômbia onde há alerta vermelho para as possibilidades de ser picado pelo Aedes. Acredita-se que ele foi picado por mosquitos diferentes, pegando a #Doença de vários insetos e não de apenas um que estava com as três doenças.

O diagnóstico inédito na medicina foi publicado na revista cientifica ‘Journal of Infection and Public Health’.

Publicidade
Publicidade

O diagnóstico

O homem, que não teve seu nome divulgado, deu entrada em um hospital da Colômbia após ficar três dias com febre, manchas vermelhas pelo corpo e conjuntivite. Foram realizados exames para constatar dengue e febre chikungunya, sendo que as amostras deram positivo.

Uma nova amostra foi realizada para zika vírus, malária e outras enfermidades, dando positivo para #Zika Vírus e negativo para todas as outras doenças testadas. O paciente passou por um tratamento e foi liberado. Os cientistas que assinaram o artigo na revista cientificam disseram que é a primeira vez que um caso de chikungunya e #Dengue são diagnosticados juntos na América Latina e com a junção do zika vírus, torna-se o primeiro caso do mundo.

O alerta

Embora essas doenças não tenham surgido nos últimos dois anos; quando começaram aparecer mais pessoas infectadas; não existe um antiviral para nenhuma das três doenças.

Publicidade

O tratamento é com medicamentos assintomáticos.

A dengue possui três tipos e a terceira é mais grave, podendo levar o paciente a morte. A febre chikungunya é mais branda em relação a dengue, mas existem registros de pessoas que também vieram a óbito por conta da mesma.

O zika vírus possui sintomas semelhantes, mas nem todas as pessoas os sentem, o que dificulta o diagnóstico.  Até pouco tempo, o principal risco era para gestantes, uma vez que crianças podem nascer com microcefalia, mas de acordo que o surto está se alastrando, casos de pessoas que tiveram alguma paralisação temporária no corpo também foram registrados.

Segundo os especialistas, seguindo o tratamento, todos os pacientes se recuperam sem sequelas, o problema é que o tratamento requer muita paciência, já que não há remédio, e também é preciso que os médicos estejam atentos para pedir testes para zika para todo paciente que chegar em hospitais públicos ou privados com sintomas similares aos da doença.