Donald Trump, candidato à presidência dos Estados Unidos, é conhecido por suas declarações pra lá de sinceras e polémicas e nessa quinta-feira, 11, não foi nada diferente em uma entrevista para a TV.

Trump revelou durante entrevista para um programa da CBS, que gosta e admira o combate que a Rússia tem feito contra o Estado Islâmico. Incentivando o governo de Putin a realizar mais ataques contra os terroristas.

O candidato foi ainda mais longe e contrariou Barack Obama e sua coalizão, alegando que não considera ser necessária a saída de Bashar Assad para acabar com os conflitos na Síria. O político considera que tirar Assad do poder transformará a Síria em uma nova Líbia, que se tornou um território devastado pela guerra e domínio de grupos terroristas desde a queda de Muammar Gaddafi.

Publicidade
Publicidade

Contrariando ainda mais a política de Obama, dos Bush e de sua adversária, Hillary Clinton, Donald Trump criticou o que os estados Unidos fizeram com Saddam Hussein, pois após o retirarem do poder, abriram caminho para que grupos terroristas ganhassem força e começassem a amedrontar o mundo.

Trump disse que se os políticos americanos na época não tivessem se metido nos assuntos do Iraque, então tanto a América quanto a Europa estaria em uma situação muito melhor hoje em dia. O político deixou claro que Saddan não era um homem admirável, tão pouco positivo, mas matava terroristas e não deixava que eles crescessem e se proliferassem como é hoje.

A opinião de Trump vem mais uma vez na contramão da política atual de Obama, que anunciou estar fazendo as negociações necessárias para realizar uma invasão terrestre na Síria.

Publicidade

Como revide, o primeiro ministro russo, Dmitry Medvedev, já declarou que uma invasão no território sírio seria o pontapé inicial para uma nova e continua guerra mundial.

Os Estados Unidos não responderam a afirmação de Dmitry, mas anunciaram um pedido de colaboração mais intensiva por parte dos países do Golfo na luta contra o terrorismo nos próximos dias. A imprensa especula que essa declaração seja um indício de que Obama planeja ordenar a invasão em poucos dias.

Caso isso aconteça, um conflito mundial pode se armar e conforme Dmitry Medvedev afirmou, seria uma guerra permanente do qual a coalizão americana não teria chances de vencer. #EUA #Eleições 2016 #Vladimir Putin