Um adolescente iraquiano de quinze anos teve a sua vida ceifada essa semana por cometer o’ crime’ de ouvir música pop do Ocidente em um CD player portátil.

Como punição, Ayham Hussein foi morto por decapitação e os terroristas ‘entregaram’ o seu corpo para os seus familiares na última terça-feira, 16. Os moradores de Mosul, cidade onde ocorreu a execução, ficaram indignados, pois a sharia (lei islâmica) não cita nada sobre a pena de morte para quem ouvir música ocidental.

O Estado islâmico costuma se ‘divertir’ quebrando regras que eles mesmo dizem seguir, bem como gerando caos e dor por onde passam. Os terroristas costumam conferir quatro opções para os moradores dos territórios invadidos por eles: se converter ao islã e seguir a sharia; pagar um alto preço em dinheiro para continuar vivendo no local; fugir ou ser morto.

Publicidade
Publicidade

Muitas pessoas não tiveram nem a opção de escolha, sendo executados aos montes.

Essa conduta dos terroristas é a responsável pelo aumento da crise migratória no mundo, pois as pessoas estão fugindo enquanto possuem tempo, a fim de que possam salvar suas. O problema é que o medo dos jihadistas é tão grande que em meio às famílias, que fogem em até três gerações, também se misturam bandidos do Oriente Médio e da África e acabam colocando em risco a vida e a segurança de ocidentais.

Graças as ações terroristas do ISIS, Al-Qaeda, Boko Haram e outros grupos menos conhecidos, mas tão cruéis quanto, a Europa já recebeu milhões de pessoas, mas a América do Norte e Sul também tem recebido elevada demanda de imigrantes. O Brasil possui milhares de imigrantes que começaram a migrar em 2014, quando o EI decretou seu califado em parte da Síria.

Publicidade

A maior parte dos imigrantes no Brasil são sírios, palestinos e pessoas de diferentes partes da África.

Perigo global

O #Estado Islâmico visa criar o seu califado não só no Oriente Médio ou na Europa, mas em todo o mundo. Seus planos são de levar a sharia à todo o planeta até 2030 e pretende começar sua ‘conquista’ dominando Portugal, Espanha e França.

Esse perigo é o que motiva a existência das coalizões russa e americana, que querem destruir os terroristas, mas divergem sobre as ações em território sírio. Enquanto existir esse impasse e a guerra de interesses dos Estados Unidos e seus aliados visando derrubar Assad quando este também luta contra o #Terrorismo junto com a Rússia, quem sairá ganhando serão os terroristas. #Guerra Civil