Adam Johnson admitiu que assediou e beijou uma menor de 15 anos no ano passado em tribunal no norte de Inglaterra, desmentindo, porém, que tivesse tido outro tipo de contato sexual com a menor. Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, o atual jogador do Sunderland preferiu admitir os crimes que cometeu no início de 2015 contra uma menor que mais tarde decidiu avançar com o processo. Sendo que a decisão final do tribunal vai ser conhecida na próxima sexta-feira, tudo pode acontecer com Adam Johnson, incluindo a prisão e natural fim da sua ainda curta carreira.

Depois de se transferir do Manchester City, um dos maiores clubes do mundo, para o Sunderland por uma quantia de 13 milhões de euros, a imprensa inglesa garante que esse foi um passo atrás na carreira para ele conseguir se afirmar de uma vez por todas na Premier League.

Publicidade
Publicidade

Porém, foi muito fora dos gramados que a vida de Adam Johnson se complicou bastante.

Tal como informa o jornal “Correio da Manhã”, Adam Johnson se declarou culpado em dois pontos da acusação, assédio e contato, nesse caso beijos, pelo que agora o inglês de 28 anos vai ter que aguardar pela decisão do tribunal inglês. Segundo relata a imprensa inglesa, os crimes têm ainda contornos mais insólitos quando se verifica que Adam Johnson assediou e beijou uma inglesa menor enquanto a sua mulher estava grávida do seu filho, algo que está chocando um pouco os ingleses nas redes sociais.

Assim resta apenas esperar pela decisão do júri para aquele que é um dos casos mais polêmicos envolvendo um profissional de futebol na Inglaterra. Mesmo que Adam Johnson não vá para a prisão, a sua confissão vai ser dificilmente esquecida pela torcida inglesa e pelo atual clube, Sunderland, pelo que o futuro de Johnson, que até agora era sorridente e muito promissor, parece estar um pouco condenado.

Publicidade

Conseguirá o jogador inglês, juntamente com os seus advogados, limpar o seu bom nome e recuperar a sua carreira na Inglaterra, ou então terá mesmo que sair para um outro país? #Justiça #Europa #Investigação Criminal