Nesta quarta-feira, o estado da Flórida decretou oficialmente o estado de emergência sanitária, vez que houve registros de seis novos casos de pessoas infectadas pelo zika vírus. Segundo o governador do estado da Flórida, Rick Scott, foi declarada emergência sanitária em quatro municípios do estado localizado ao sudeste dos Estados Unidos, cujo clima é extremamente propício para a proliferação do mosquito Aedes aegypti. O mosquito é o maior transmissor da doença, que vem causando alarde em todo o mundo e tem sido muito associada aos casos recentes de má-formação congênita em recém-nascidos.

O governador Scott emitiu a ordem executiva nesta quarta-feira, depois que autoridades de saúde estaduais relataram seis novos casos decorrentes do #Zika Vírus, assim elevando para nove o número casos de pessoas com a doença em todo o estado.

Publicidade
Publicidade

Todos os novos casos apresentaram os sintomas depois de terem realizado viagens para locais onde existe a presença do vírus. Nenhuma mulher grávida foi afetada.

A medida direcionará recursos para as áreas afetadas para combater a doença, principalmente com campanhas de pulverização. “Temos de garantir que a Flórida está preparada para a eventual propagação do zika vírus pelo estado”, disse Scott em comunicado à imprensa.

Enquanto isso, o estado da Geórgia (também no sudeste) registrou nesta quarta-feira o primeiro caso de zika vírus numa pessoa que viajou entre dezembro e janeiro para a Colômbia. A pessoa se recuperou, de acordo com o Departamento de Estado da Saúde.

Nos Estados Unidos já foram registradas dezenas de casos de zika vírus, a maioria decorrentes do contato dos contaminados com regiões onde proliferam o mosquito. O zika vírus preocupa as autoridades de saúde em todo o mundo pela rápida disseminação do vírus na América Latina, aparentemente inofensivo, mas que tem sido associado a um aumento anormal de casos de microcefalia no Brasil.

Publicidade

A Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou na segunda-feira estado de emergência pública internacional pelo possível vínculo entre o contágio de zika em mulheres grávidas e o aumento de casos de bebês nascidos com microcefalia. #EUA