Foi anunciado esta quinta-feira, 4, pela ministra do Interior da Áustria, Johanna Mikl-Leitner, que nos próximos dias será introduzido um limite de entradas diárias de refugiados e imigrantes no país para que o problema da #Crise migratória não se agrave na Áustria.

A ministra do Interior da Áustria divulgou que em cerca de dez dias serão introduzias quotas diárias, que serão respeitadas, e que estão diretamente relacionadas com a capacidade que o país tem para acolher milhares de pessoas que procuram uma vida melhor longe dos conflitos e guerras que se estendem na Síria, principalmente. O número máximo de entradas de #Refugiados e imigrantes por dia será divulgado com base nos alojamentos disponíveis e na capacidade policial necessária para manter a segurança nos locais onde se verificam maiores movimentações destas milhares de pessoas.

Publicidade
Publicidade

O Governo Austríaco já tinha anunciado em janeiro que o limite de pedidos de asilo para o ano de 2016 será de 37.500 solicitações. Este valor é relativamente baixo quando se comparado ao número de refugiados e imigrantes que a Áustria acolheu ao longo do ano passado (900.000 pessoas foram recebidas neste país em 2015). De acordo com estes dados anunciados pelo Governo Austríaco, não permitirão que mais de 127.500 pessoas peçam asilo. O Governo anunciou ainda que estão pensando em endurecer todas as condições de reagrupamento familiar, bem como vários benefícios que estas pessoas têm a nível social. Outra medida que está sendo estudada é a de limitar o asilo ao tempo que dure as guerras e conflitos no país de origem dos refugiados, ou até que o problema que levou estas pessoas a emigrarem fique resolvido para depois poderem regressar ao seu país sem conflitos e guerras.

Publicidade

Para que todos estes procedimentos sejam realizados o mais rapidamente possíveis, o Governo decidiu declarar como países seguros Tunísia, Marrocos e Argélia, e, desta forma, todos os nacionais receberão mais rapidamente as respostas aos seus pedidos de asilo num tempo de espera de dez dias. #Europa