Em uma entrevista para o jornal The Sun, Kate McCann revelou que acredita que a filha nunca tenha saído do Algarve. Para os pais da menina desaparecida desde 2007, em Portugal, quem a raptou nunca a teria levado para longe. Uma vez mais, os pais acabam culpando a  investigação, que não teria procurado direito, nem onde mais importava. 

O caso de Maddie McCann é mais um entre muitas crianças desaparecidas. Esse desaparecimento acabou ganhando enorme relevo pelas notícias de todo o mundo. Maddie tinha quatro anos quando desapareceu, na noite de 3 de maio de 2007. A menina estava na casa de férias dos pais, na praia da Luz, no  Algarve, e se encontrava junto com os irmãos, gêmeos, de dois anos.

Publicidade
Publicidade

Os pais tinham saído para jantar fora e teriam deixado as crianças sozinhas. 

A investigação tem durado todos estes anos. Perícias foram feitas, várias reconstituições dessa noite, centenas de pistas foram seguidas, vários suspeitos encontrados (até mesmo os pais), em uma investigação bem dispendiosa. Apesar de tudo isso, a menina nunca foi encontrada, mas os pais se recusam a desistir da pequena Maddie. 

Em uma entrevista bem emocionada, a mãe Kate revelou que ela e o marido, Gerry, acreditam que Maddie nunca tenha saído de Portugal. Por aquilo que eles têm aprendido ao longo desses anos dramáticos, sem a filha, os sequestradores não costumam viajar para muito longe com as crianças, possivelmente por temerem ser apanhados. 

Nessa entrevista para o jornal The Sun, Kate McCann fala somente na chance da criança ter sido vendida para algum casal sem filhos, o que significa que ela continua acreditando que a criança permanece viva.

Publicidade

Envolvida em projeto para ajudar em outros raptos

Após o desaparecimento de Maddie, a vida dos McCann acabou dando uma volta. Os dois são médicos mas acabaram por se afastar da profissão e estão se dedicando mais na procura da menina. Kate está agora liderando um serviço de alerta para resgatar crianças desaparecidas, no Reino Unido. O serviço tem por esquema mandar apelos para celulares, computadores e tablets assim que a criança desaparece. A inglesa de 47 anos acredita que se esse serviço existisse em 2007, Maddie teria sido encontrada em poucas horas e, assim, acabaram não perderiam o rasto da menina. Na opinião de Kate, por ficarem seguindo as pistas erradas. 

E o leitor, o que pensa sobre isso? Será que a menina nunca foi para longe? Estará ainda viva? Comente! #Família #Casos de polícia