Uma menina viveu um verdadeiro pesadelo durante quatro anos. A criança romena tinha doze anos, quando sua mãe a vendeu a troco de mil euros (pouco mais de quatro mil reais) a um casal de romenos, quando estavam todos vivendo em Ovar, em Portugal. Durante os quatro anos seguintes, essa criança foi vítima de constantes e os mais variados maus tratos, por toda a #Família, até que o #Crime foi finalmente desmantelado. Agora, o casal que comprou a menina está aguardando o julgamento, mas já detidos em prisão preventiva, em uma notícia que foi divulgada neste sábado, dia 13 de fevereiro, pelo jornal Correio da Manhã. 

Um pesadelo que durou quatro anos

Um casal de romenos, ele de 34 e ela de 33 anos, escravizaram essa garota, impondo a ela os mais graves maus tratos.

Publicidade
Publicidade

A menina se transformou em uma escrava sexual, sendo estuprada e levando vida de casada com o filho, ainda menor, desse casal. Em abril de 2012, a criança ficou grávida, mas esse bebê foi entregue para adoção. A menina, na altura já com 14 anos, foi forçada a abandonar o bebê. 

Para lá de ser forçada a manter relações sexuais com o garoto, a menina era obrigada a ser pedinte nas ruas e até a roubar. Dentro de casa, era mais do que uma empregada e tinha que cumprir todas as tarefas que toda a família lhe ordenava, incluindo até cuidar dos quatro filhos menores do casal, um deles um bebê. 

Quando a menina se negava a fazer o que eles mandavam, era espancada, com tacos de beisebol e com vassouradas. Tudo isso durante quatro anos, até que a polícia judiciária do Porto descobriu tudo, em 2014, e prendeu os suspeitos. 

Acusações fortes 

O casal de romenos está na cadeia, em prisão preventiva, aguardando julgamento.

Publicidade

O ministério público português acusou esse casal pelos crimes de tráfico de pessoas, violência doméstica, escravidão e estupro. O filho do casal, apesar de não se encontrar detido, está também acusado, uma vez que já tem 18 anos e durante todo esse tempo levou vida de casado com essa menina, mesmo sendo menor. 

Para lá da pena de prisão para os suspeitos, o ministério público pede que a menina receba meio milhão de euros (mais de dois milhões de reais) de indenização, por todo o sofrimento vivido, durante todo esse tempo.  #Casos de polícia