A incontrolável #Crise migratória que assola a #Europa é dividida entre medo, compaixão e ódio. O grupo do ódio saiu às ruas nesses sábado, 6, para protestar contra os imigrantes e reuniu milhares de pessoas, principalmente na Alemanha e  na França.

Os protestos não foram completamente pacíficos, conforme se esperava durante a organização. Houve várias tensões entre manifestantes e forças policiais. Na França, vinte pessoas foram detidas.

Em Amsterdã houve a prisão de vários manifestantes. Todos os envolvidos nos protestos generalizam que todo refugiado é radical islâmico e muitos aproveitam a #Manifestação para pregar o extermínio e violência contra os recém chegados.

Publicidade
Publicidade

Da mesma forma que famílias até sua terceira geração fogem para a Europa, meliantes também o fazem, afinal, todo país tem taxas de criminalidade e para se livrar da situação de guerra, inocentes e criminosos acabam enfrentando o mar e chegando ao novo continente. A ação de alguns desses criminosos em junção com grupos locais faz com que muita gente concluísse que todos imigrantes irão matar, violentar e assaltar e isso gera uma onda de pânico e apologia à violência entre boa parte da população.

Em Dublin também houve confrontos com a polícia. Os manifestantes visam ter seus pedidos atendidos destruindo patrimônio público e tentando agredir física ou verbalmente autoridades policiais, motivo de muitas prisões. Algumas cidades já haviam proibido tais protestos, mas muitas pessoas foram para as ruas e precisaram ser reprimidas.

Publicidade

O que é o Pegida?

Se trata de um ‘partido’ que busca evitar a islamização do ocidente, entretanto há uma mistura de ideal de liberdade ao evitar, por exemplo, o califado do ISIS e ao mesmo tempo a generalização de que todo imigrante é muçulmano e seguidor e apoiador da sharia, logo, um seguidor do EI e é justamente essa parte das defesas do ‘partido’ que geram comoção popular a favor e contra a realização de ações.

Uma manifestação contra o partido xenofóbico Pegida reuniu cerca de três mil e quinhentas pessoas em Dresden, na Alemanha. Segundo informações locais, os protestos foram pacíficos e se resumiram à cartazes, caminhadas e gritos contra o partido. Não houve prisões.