Já imaginou se a moda pega aqui no Brasil. Nesta quinta-feira, 04, Steven Joyce, ministro do Desenvolvimento Econômico da Nova Zelândia, dava uma entrevista para um grupo de jornalistas, quando foi surpreendido por um grupo de ativistas, que jogou em seu rosto um pênis de borracha. Segundo informações de um portal de notícias local, quem arremessou o item com formato do órgão sexual masculino foi uma mulher, que gritou: "seu canalha. Isso é por estuprar a soberania do nosso país", disse ela bem irritada. 

Por ter agredido uma autoridade pública, a mulher que não teve o nome identificado, foi detida e levada para uma delegacia.

Publicidade
Publicidade

Ela pagou fiança e foi liberada. De acordo com fontes, a mulher ficou muito satisfeita com o seu feito e quer que outras pessoas façam o mesmo com Steven Joyce. Nas redes sociais da Nova Zelândia, internautas pedem mais "segurança" para o ministro do Desenvolvimento Econômico. No entanto, essa segurança não é bem um reforço policial, mas o uso de preservativos nos pênis que são jogados nele, evitando assim que outra pessoa possa pegar alguma doença sexualmente transmissível. 

Apesar da surpresa, o ministro levou o ataque com bom humor. Ele disse que o ataque foi até "divertido". Apesar de brincar, o político revelou que espera que tal fato não entre na sua carreira de maneira significativa. "É mais divertido do que eu pensava", brincou ele. "Mas prefiro acreditar que fiz coisas boas que contribuíram para a Nova Zelândia, e que isso será apenas um plano de fundo", disse o político, dando uma pequena patada na mulher que perdeu a cabeça e o pênis de borracha, que foi recolhido por policias para servir de prova contra a ativista. 

No momento em que o pênis de borracha foi tacado, o ministro participava de uma reunião para assinar o chamado Tratado Transpacífico, chamado também de TPP.

Publicidade

Através do acordo, doze países ficam mais abertos para importar e exportar os seus produtos. Espera-se com isso que haja uma integração maior dos mercados e que a crise econômica mundial, quando vir, seja mais amena. #É Manchete!