Na Índia, uma mulher entregou o pênis de um homem na delegacia da polícia de Sidhi. Apesar de seu nome não ter sido revelado nem pela polícia nem pela imprensa, sua história está correndo o mundo, pelo inusitado desse incidente. Após essa mulher indiana ter confessado sua ação, os policiais foram procurar pelo homem, tentando ainda prestar algum auxílio após esse brutal desmembramento, mas o mesmo já não estaria vivo nesse momento. A mulher se justificou, alegando os diversos abusos sexuais que teria sofrido nas mãos desse homem. 

Um passado de abusos

Quando chegou na polícia com o pênis do homem, a mulher indiana alegou ter sofrido vários ataques sexuais por esse homem, que era seu cunhado.

Publicidade
Publicidade

A mulher estava vivendo na casa do cunhado, enquanto o marido se encontrava a várias centenas de quilômetros, em uma outra cidade trabalhando.  E durante essa estadia, o homem teria abusado sexualmente da cunhada e cometido vários estupros.

Para parar com esses abusos, a solução da mulher foi eliminar o mal pela raiz e acabou cortando o pênis do homem. 

Uma foice como arma do crime

Na noite do crime, a mulher teria dado a entender iria passar a noite com ele. Após os alegados abusos, o plano da mulher era de seduzir o homem, para que ele acreditasse que teriam uma relação sexual consentida. Pegando o homem  desprevenido, ela fez uso de uma foice para cortas as partes íntimas do cunhado. 

Mulher ficou detida pela polícia

Apesar de sua justificação, a mulher, de 32 anos e mãe de três filhos, acabou ficando detida pela polícia, que vai agora abrir um inquérito, mas que poderá acabar com essa mulher sendo mesmo julgada.

Publicidade

Para já, a polícia já adiantou que a mulher não sofrerá de qualquer problema mental e isso não serviria de desculpa para ter cometido esse crime tão bárbaro.

O homem, o alegado abusador, foi encontrado pendurado em uma árvore, após ter sofrido os cortes nas mãos da cunhada. 

E o leitor, o que acha desse caso? Essa mulher merece ser condenada? Que tipo de condenação? Comente.  #Justiça #Casos de polícia