Nestes últimos dois anos, desapareceram cerca de dez mil crianças que procuram asilo na Europa com o principal objetivo de encontrarem uma vida com melhores condições. Pensa-se que muitas destas crianças tenham sido vítimas de ataques por parte de várias redes que se dedicam a "capturar" crianças e jovens com o principal objetivo de as abusarem sexualmente ou então para escravizar.

De acordo com os dados recolhidos pelo jornal Público, é muito difícil saber o valor certo de crianças que foram capturadas por estas redes de tráfico humano ou o número de crianças que ainda continuam desaparecidas. No entanto, este número que foi divulgado este domingo, dia 31, é baseado principalmente nos desaparecimentos confirmados por parte do Estado.

Publicidade
Publicidade

Esta foi a primeira vez que a polícia européia decidiu calcular o número total de crianças que se encontram em risco entre as milhares que chegam à #Europa todos os dias à procura de uma vida melhor. A Europol vem avisando a todo o mundo para os possíveis ataques de redes de tráfico de seres humanos, visto que nestes últimos anos muitas sofisticadas redes de tráfico vêm se desenvolvendo.

A Europol, no seu comunicado de alerta, avisou ainda que as principais redes de tráfico humano situam-se principalmente na Alemanha e na Hungria. A Alemanha, por um lado, é um dos destinos mais desejados por parte de todos os refugiados e imigrantes que querem chegar à Europa. Por outro lado, a Hungria é considerado um país de passagem, em que milhares de #Refugiados acabam passando para conseguirem chegar aos destinos que tanto desejam.

Publicidade

Já foram desmantelados nestes últimos anos várias redes de tráfico humano para abuso sexual ou até mesmo para escravizar e trabalho forçado de imigrantes e refugiados adultos e menores de idade.

O diretor da Europa, Brian Donald, respondeu numa entrevista ao semanário de origem britânica The Observer que a maioria de prisioneiros em muitas prisões da Alemanha e Hungria são acusados de atividade criminosa contra os próprios refugiados e imigrantes.   #Crise migratória