Barack Obama falou que sua ida a Cuba abre um novo capítulo entre os dois países e sua visita será no mês de março de 2016. Obama pretende estreitar as relações com Cuba e ajudar o país.

Na rádio ele falou aos ouvintes e os cumprimentou com um "Bom Dia" e passou a sua mensagem "Vou a Cuba".  A viagem foi agendada para 21 e 22 de março e será considerada histórica, pois o último presidente americano a ir ao país foi em 1928, Calvin Coolidge.

Para Obama voltar a interagir com Cuba será a forma de passar os conhecimentos e as vontades dos Estados Unidos aos cubanos, além de proporcionar uma melhoria de vida a eles.

AS MUDANÇAS

Os #EUA poderão levar a Cuba mudanças e expectativas, mas o presidente dos EUA.

Publicidade
Publicidade

disse que a transformação só ocorrerá se o país estiver aberto a aceitar as mudanças.

Barack Obama se sente comprometido em promover as mudanças e ajuda necessárias ao país cubano, no passado as restrições destruíram as relações que havia entre eles e este momento inicia um novo caminho e abre novas possibilidades em suas negociações.

CONVERSAS

Os dois presidentes dos países em questão, já haviam se comunicado anteriormente em conversa privada. Discutiram sobre a proximidade dos países e reataram as relações de diplomacia, fato que ocorreu no mês de julho de 2015.

ENTENDA SOBRE A HISTÓRIA ENTRE EUA E CUBA.

Os Estados Unidos haviam fechado a Embaixada Americana em Cuba há exatamente 54 anos. Em 2015 Obama resolveu reatar com os cubanos e "quebrar o gelo" entre eles. Com esse passo marcante e que entrou para a história, a bandeira americana foi hasteada em Havana.

Publicidade

Na época Obama disse que a decisão seria para modificar a vida dos cubanos e que os EUA trabalhariam junto com eles para fazer com que progridam nos setores democráticos e humanos.

A RETOMADA

Em 2015 o chefe da diplomacia americana, enviou uma carta de Barack Obama ao presidente de Cuba Rui Castro. O seu conteúdo era sobre a retomada das relações entre os países. A carta foi entregue em Havana, por Jeffrey Delaurents, a Marcelino Medina (Relações Exteriores) em Cuba.

O presidente cubano, disse na época em que recebeu a carta, que s seria necessário para que os dois países reatassem de fato, a quebra das barreiras econômicas que os EUA haviam estabelecido para o país. Ele colocou em discussão a devolução da base militar de Guantánamo, para o seu país.

Em dezembro (2015) realizaram um acordo e houve troca de prisioneiros entre os dois países, o que deu início a uma nova página na história.