O Alto-Comissário das Nações Unidas anunciou nesta sexta-feira, dia 5, que todos os países que se encontravam afetados com o vírus Zika devem garantir o acesso tanto ao aborto como também à contracepção para evitar a gravidez de mulheres afetadas com este vírus.

Esta medida está sendo muito discutida nestes últimos dias, porque se tem uma forte suspeita de que o vírus Zika nas mulheres grávidas provoca malformações congênitas nos fetos quando as mulheres grávidas pegam a infeção durante toda a gestação. As autoridades mundiais também têm aconselhado a todas as mulheres que pensam em ter filhos nessa época, para adiarem este desejo que têm, para evitarem ao máximo que os seus filhos possam vir sofrendo de microcefalia (cérebro pequeno) porque existe fortes suspeitas de que o vírus Zika provoca nos fetos esta doença, que poderá vir sendo muito prejudicial para o novo ser.

Publicidade
Publicidade

O porta-voz e Zeid Ra'ad Al Hussein (o Alto-Comissário para os Direitos Humanos) fez o questionamento sobre como será possível que se obrigue as mulheres a não ficarem grávidas se não houver meios que sejam disponibilizados às mesmas para que evitem uma gravidez. Por outro lado, também acrescentou que não é nada realista que se peça a todas as mulheres que não engravidem durante os próximos tempos (aproximadamente um ou dois anos) para tentar evitar ao máximo o risco de que seus filhos possam nascer com microcefalia, que poderá provocar no feto consequências neurológicas e também a nível do desenvolvimento motor da criança muito graves.

De acordo com os dados recolhidos durante vários estudos feitos pela Organização das Nações Unidas (#ONU), só na América do Sul e na América Central, mais de 24 milhões mulheres não têm acesso a qualquer meio contraceptivo que as permita evitar qualquer gravidez que possa acontecer.

Publicidade

Convém acrescentar que não é só devido a fatores econômicos, mas sim  muitas vezes à fatores religiosos (culturais e sociais) já que muitos países são vincadamente católicos. Segundo estes mesmos estudos, cerca de 56% das gravidezes não são planejadas.  #Zika Vírus