O Organização das Nações Unidas (#ONU) condenou veementemente a atitude da Coreia do Norte sobre o episódio de lançamento de um foguete ocorrido, no último domingo, dia 07, por aquele país. De acordo com o órgão, o fato constitui uma grave violação ao que está estabelecido pelas resoluções de segurança, que proíbem o teste de mísseis de longo alcance.

A violação das normas por parte do governo da Coreia do Norte

O governo do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un mais uma vez surpreende a comunidade internacional ao promover testes com mísséis em seu território. Há quase um mês, o país anunciou a realização de testes com um bomba de hidrogênio, totalizando o seu quarto teste nuclear.

Publicidade
Publicidade

O suposto lançamento teria ocorrido na base de DongChang-ri, a noroeste do país. A informação inicial era de que o lançamento do foguete seria para a colocação de um satélite em órbita. Entetanto, apesar dos Estados Unidos detectarem que algo parecia ter sido lançado no espaço, a informação não tinha sido confirmada com segurança. 

Coreia do Norte - Uma série ameaça à segurança mundial

Poucas horas após o anúncio do fato, os Estados Unidos e Coréia do Sul anunciaram o início de uma negociação para que sejam iniciadas as operações para a instalação de um sistema antimísseis, o chamado THAAD. Tal informação foi reforçada pelo Tenente General Thomas Vandal, responsável pelo comando do oitavo exército dos Estados Unidos, que fica na Coréia do Sul. O militar declarou que era o momento exato de se avançar para que fosse concretizado tal propósito.

Publicidade

A Casa Branca, em Washignton, se manifestou, através de sua assessoria de Segurança Nacional, afirmando que todas as manobras realizadas pela Coreia do Norte e que dizem respeito a lançamentos de mísseis e testes de armamentos nucleares constituem uma séria ameaça a todos os países no mundo.

Em Pequim, o representante do Ministério das Relações Exteriores, Hu Chunyng declarou que a Coréia do Norte tem direito a utilizar o espaço aéreo do país, porém, dentro dos limites estipulados pelas resoluções de segurança da ONU. O mesmo declarou que é lamentável que o país vizinho insista em contrariar as normas de segurança internacionais.

As manifestações dos países que fazem parte do Conselho de Segurança da ONU

Após a divulgação do lançamento do foguete pela Coréia do Norte, as manifestaçãoe dos países que fazem parte do Conselho de Segurança da ONU foram inevitáveis.

A França e Grã-Betanha condenaram veementemente a posição do ditador norte coreano, numa demonstração clara de desrespeito às decisões da ONU e exigiram que medidas duras sejam tomadas contra o país.

Publicidade

A presidente sul coreana, Park Geun-Hey, compartilhou da mesma opinião e também cobrou medidas punitivas e mais severas. 

A Rússia condenou a atitude do governo norte coreano, afirmando que seu governante violou claramente leis que preservam a segurança mundial.

O Brasil juntou-se aos demais países que fazem parte do Conselho de Segurança  e emitiu nota, através do Itamaraty, condenando a intenção da Coréia do Norte em colocar em órbita satélites que fazem parte de tecnologia com fins armamentistas.

A ONU reuniu-se, em sessão fechada, com os principais países que fazem parte do seu Conselho de Segurança para que possam decidir quais medidas deverão ser adotadas em relação ao país norte coreano.