Os portugueses se dividiram sobre o caso que abalou o país. Uma mãe levou suas filhas para a praia e agora está sob custódia. Viviane de apenas 19 meses de idade foi localizada pouco depois e morreu. Samira, de 4 anos de idade, só viria a ser encontrada neste domingo de manhã, 21. A questão tem levantado uma onda de discussões sobre a questão da violência doméstica e as ações das autoridades.

Logo após os acontecimentos trágicos, a Polícia Marítima comunicou o caso ao Ministério Público que decidiu abrir uma investigação através do Departamento de Ação Penal de Oeiras, nas redondezas de Lisboa. Sónia Lima, de 37 anos de idade, foi presa pela Polícia Judiciária e o juiz se decidiu manter a custódia.

Publicidade
Publicidade

A mulher é acusada de dois assassinatos em primeiro grau e o Ministério Público entende que ela praticou os crimes em “circunstâncias especiais de censurabilidade ou perversidade”, se referindo à “tenra idade” das vítimas.

Tudo faz crer que o ato da mulher se deveu aos conflitos com o pai das meninas. Tendo então decidido se matar conjuntamente com as suas filhas menores de idade. Ela foi avistada por um popular que a tirou da água, mas as meninas não sobreviveram ao afogamento. A bebê de 19 meses apareceu pouco depois e apesar dos esforços dos socorristas, morreu. A outra menina, de 4 anos, esteve desaparecida até a manhã de hoje, domingo. Foi encontrada na praia por dois homens que caminhavam na praia.

Marido e mulher tinham feito várias participações às autoridades policiais por violência doméstica, e a mulher acusa, ainda, o antigo companheiro de ter abusado sexualmente de uma das meninas.

Publicidade

Por outro lado, são muitas as pessoas que criticam a atuação das autoridades policiais por nunca terem agido perante aquela situação familiar que terminou em tragédia.

As mesmas autoridades policiais que montaram uma operação de vigilância durante o enterro da bebê, previsto para este domingo. É que o ambiente entre as duas famílias está pesado e até já houve ameaças de morte ao pai da menor, Nelson Ramos, que solicitou proteção policial temendo pela sua vida. #Crime