O fantasma da terceira guerra mundial tornou-se ainda mais real nessa quinta-feira, 11, quando o primeiro ministro da Rússia, Dmitry Medvedev, anunciou em uma entrevista que se houver uma ofensiva terrestre na Síria ocorrerá uma nova guerra mundial.

Ao contrário do que muita gente pensa, a guerra não seria entre Rússia e #EUA, mas entre dezenas de nações e aquelas que não participassem diretamente dos confrontos, auxiliariam de alguma forma com o fornecimento de armamento, alimentos, remédios ou ajuda humanitária.

Atualmente existem duas coalizões mundiais pelo fim do terrorismo. De um lado a Rússia, acompanhada do governo Sírio de Assad, Hezbollah, Iraque e Irã.

Publicidade
Publicidade

Nos últimos dias Israel demonstrou compreensão na luta russa e se mostrou disposto a cooperar com o país governado por #Vladimir Putin.

Do outro lado, Estados Unidos, seguido da Turquia (que possui diversos problemas com a Rússia após abater um avião militar ano passado), França e Reino Unido (como os principais). A Arábia saudita também se uniu aos EUA na guerra contra o terrorismo e contra Assad.

A coalizão russa visa acabar com o EI e grupos similares que levam terror ao mundo e a coalizão americana visa acabar com os jihadistas e derrubar o governo de Assad. Logo, ao invadir o território sírio, tanto Assad, quanto os aliados da coalizão russa não pensarão duas vezes em abater os soldados invasores, bem como suas bases e aeronaves.

Por mais poderosos que tenha sido para a comunidade internacional, Os EUA podem levar a pior se provocar uma guerra sem data de término com a Rússia, pois além do país de Putin possuir o maior exército do mundo, também conta com tecnologias militares que os Estados Unidos não possuem, bem como em uma eventual aliança com Israel, se tornaria ainda mais forte, uma vez que Israel é um dos países mais desenvolvidos tecnologicamente, principalmente no que diz respeito à segurança e militarismo.

Publicidade

O aviso do primeiro ministro veio em resposta à Barack Obama, que agradeceu o apoio da Arábia Saudita e anunciou que realizará ataques terrestres na Síria em breve. #Guerra Civil