Quatro ataques bombas foi o número atentados patrocinados pelo DAESH (ISIS) neste último final de semana na Síria.

Neste domingo (21) o grupo terrorista, através de um terrorista suicida, atacou o distrito de Al Zahra, em Homs com um duplo ataque suicida deixando 50 mortos e mais de 110 feridos, o intervalo de tempo entre os dois ataques foram de minutos.

Ainda no domingo em Damasco, com carros-bombas e terroristas suicidas a organização terrorista fez quatro explosões, resultando na morte de 83 pessoas. O bairro atacado é de minoria muçulmana xiita.

Em janeiro outro ataque terrorista feito pelo DAESH ao mesmo bairro matou aproximadamente 70 pessoas.

Publicidade
Publicidade

Na mesma cidade, Homs, um bairro foi atacado deixou mais de 100 feridos e matou 46 pessoas.

PERDAS DE COMBATENTES

O ISIS teve uma perda significativa neste último domingo (21) de atentados. De acordo com informações dos campos de batalhas na província de Homs foram realizado vários ataques contra os terroristas.

Muitos dos bombardeios atingiram transportes que levavam combatentes terroristas na região sudeste, próximo da província de Homs, região atacada pelos terroristas.

Ataques aéreos atingiram veículos de combatentes em uma estrada situada em Al Buseiri, todos os terroristas foram mortos.

ATAQUES CONDENADOS

Os ataques que foram feitos pelos terroristas neste final de semana (21) foram condenados pela Organização das Nações Unidas.

A #ONU, através do seu enviado especial, Staffan De Mistura, condenou “energeticamente” a onda de ataques feita pela milícia.

Publicidade

O Iraque, através do seu Ministério das Relações Exteriores, também condenou os ataques, assim como lamentou o ocorrido e prestou “condolências às famílias das vítimas”.

O país destacou um ponto importante quanto aos terroristas, segundo eles os atos realizados pelos combatentes não têm nenhum lado com religiões, uma vez que os radicais, que se dizem muçulmanos, atacam até mesmo as chamadas “zonas sagradas”.

Ainda no domingo (21) o ministro do Exterior convidou a comunidade internacional para restabelecer a paz na Síria e pediu que evitassem “os enfrentamentos e guerras destruidoras”. #Terrorismo #Estado Islâmico