Um acidente brutal em Portugal, na manhã deste domingo, dia 7 de janeiro, fez duas vítimas. Ainda antes das oito horas da manhã, um Maserati Spyder, que seguiria em excesso de velocidade, acabou capotando várias vezes, em um 'voo' por mais de cem metros. Os dois jovens que seguiam no carro ficaram encarcerados e só foram retirados quando a polícia chegou no local. O condutor morreria pouco depois, enquanto que o outro passageiro se encontra em estado muito grave, no hospital. 

E a culpa poderia ter sido do excesso de velocidade. De acordo com algumas testemunhas, que falaram com o Correio da Manhã, o carro tinha acabado de passar por eles, em uma manobra arriscada e muito veloz.

Publicidade
Publicidade

Pouco depois, o condutor teria perdido o controle do carro que foi se despenhar em um monte de arbustos, após pular as barreiras da estrada. O acidente perto à cidade de Leiria.

O carro, um Maserati Spyder azul escuro, ficou irreconhecível, após tantos capotamentos, o que teria dificultado o trabalho dos socorristas. Quando os bombeiros chegaram no local do acidente, apenas teriam reconhecido uma vítima e só após iniciarem as manobras de desencarceramentoé que repararam em uma segunda vítima no interior do carro. As formas e componentes deste carro também teriam atrasado o acesso dos bombeiros ao interior do veículo, para retirar as duas vítimas, segundo o relato do Correio da Manhã, após falar com o comandante dos bombeiros Luís Ferreira.

O carro estava sendo dirigido por Guilherme Justo, de 26 anos, que ainda estava vivo quando os bombeiros chegaram e o retiraram do Maserati. Mas, os ferimentos severos não permitiriam que chegasse vivo no hospital de Leiria, para onde as duas vítimas estavam sendo transportadas. 

O amigo de Guilherme, que seguia do lado dele, é João Tavares, de 28 anos.

Publicidade

Ainda está no hospital, mas com ferimentos muito graves e se encontra uma condição muito crítica, devido a brutalidade do embate sofrido. 

Guilherme Justo, a vítima mortal desse trágico acidente, era o filho mais novo dos donos do Grupo Justo, grupo que detém várias empresas na área dos transportes em Portugal.  #Europa #Violência