A Bélgica foi atingida na manhã desta terça-feira, 22, por um dos maiores ataques terroristas da história. Por volta das 4h15 no horário de Brasília, 8h15 no horário local, três explosões simultâneas foram registradas em pontos muito movimentados da capital Bruxelas. De acordo com agências internacionais, o caso foi tratado como atentado terrorista algumas horas depois de seu acontecimento.

Uma das explosões aconteceu no aeroporto de Bruxelas, justamente onde existem muitas filas, próximo ao check-in de embarque. Outro ponto com muita movimentação e onde foi registrada outra explosão foi na estação de metrô de Maebeek. A estação fica perto de um dos prédios mais conhecidos da União Européia.

Publicidade
Publicidade

Por conta dos atentados, a bandeira da Bélgica foi hasteada em meio mastro, mostrando que a população está de luto. 

Até o fechamento desta reportagem, confirmava-se a terceira explosão, também no metrô. Uma delas, teria sido provocada por um homem bomba. Às 08h50 falava-se em 28 pessoas mortas e 55 feridas. De acordo com a TV Globo, das feridas, muitas estariam mutiladas, sem a parte de baixo do corpo, perdendo o pé e pernas. 15 das mortes aconteceram no metrô, enquanto outras 13 aconteceram no aeroporto. Por conta dos ataques terroristas, a Europa elevou seu nível de atenção para o máximo que existe.

Os ataques aconteceram menos de uma semana depois de um dos suspeitos dos atentados em Paris do ano passado ter sido preso. Sahah Abseslam seria um dos responsáveis pela morte de 130 pessoas na capital francesa, em seu maior ataque da história.

Publicidade

O rádio local da Bélgica relata falta de sangue nos hospitais, mas o governo local ainda pede que ninguém saia de casa. Outra recomendação é que ligações por telefone não sejam feitas, a não ser em casos de emergência, evitando que o sistema fique congestionado. 

Até o fechamento desta reportagem, nenhum grupo radical ainda havia assumido o ataque terrorista Na segunda-feira, 21, a polícia francesa divulgou que procurava outro suspeito dos ataques em Paris. O nome do foragido é Najim Lachraoul, que teria 24 anos.  #Lula #Dilma Rousseff #Impeachment