Ah, os #Animais! Impossível não se tornar uma pessoa melhor, ainda que por pouco tempo, ao estar do lado deles. Os animais têm muito o que ensinar para as pessoas e uma dessas ‘professoras’ amorosas se chama Judith, a anfitriã dessa história de maus tratos com final feliz.

Imagine ficar dez anos acorrentado sem poder sair para nenhum lugar. Como se não bastasse, o seu castigo era ainda pior: há relatos de que os ‘donos’ urinavam na cadela e a deixavam na sujeira, sem comida ou qualquer cuidado. Seus ‘donos’ até a batizaram como ‘Judas’ como se a inocente cadelinha tivesse que ser punida por uma traição que seria incapaz de fazer, até mesmo contra aqueles que a maltratavam.

Publicidade
Publicidade

Quando estava prestes a ser morta, foi resgatada e ganhou um novo nome “Judith’, além de muito amor. Judith já era idosa e não tinha o vigor que os filhotes, mas não deixou de demonstrar amor nenhum momento. Ela não teve medo ou raiva das pessoas ao seu redor pelo trauma que viveu. Ela só queria agradecê-los com muito amor e lambidas.

A guerreira possuía uma deficiência nas patas traseiras que a impediam de se locomover adequadamente, então ganhou uma cadeira de rodas especial para poder correr com liberdade. Sua inocência e amor eram tão intensos que ela simplesmente parecia não ter vivido todo o sofrimento do passado. Parecia mais que estava começando a viver a partir daquele momento. De certa forma, estava.

A guerreira Judith foi tratada, mimada, coberta de muito amor e atenção e depois ganhou uma nova família, ou melhor, sua primeira família.

Publicidade

Como já era idosa, nossa guerreira só viveu 18 meses após a adoção, mas não deixou de demonstrar seu amor e fidelidade nem só um dia.

Judith tornou-se um símbolo do quanto os animais são mais ‘evoluídos’ que muitos humanos. Muitas vezes uma pessoa não consegue perdoar uma traição, uma palavra agressiva ou uma agressão física e alimenta o veneno da magoa para sempre, perdendo a fé em si próprio, em Deus e em todos a sua volta.

A sábia Judith não perdeu a fé, ela mostrou que um passado ruim não seria o bastante para estragar seu futuro feliz. Ela se entregou de corpo, patas e lambidas, não julgando os novos humanos, como se eles fossem iguais aos de seu passado.

Reflexão

Se pensar em adotar um cão, talvez seja mais interessante ter um filhote, pois ele passará mais tempo com você, mas reflita sobre dois pontos: Primeiro, seu filhote vai crescer, você está preparado? Porque ele não está preparado para te perder: o dono é o mundo de um cão!

Segundo: Um cão idoso não passará tantos anos com você quanto um filhote, mas creia, ele lhe dará tanto amor quanto os menores e ainda te fará sentir a melhor pessoa do mundo.

Publicidade

Por isso, cogite a ideia de pelo menos uma vez na vida, fazer os últimos anos ou meses de um cão abandonado idoso, serem os mais felizes que sua curta e amorosa vida poderia ter.

Assista ao vídeo da história de Judith e prepare o lencinho só por precaução, caso passe uma rajada de vento que coloque ciscos em seus olhos.

#Cães #Comportamento