O Ocidente é o local escolhido pelo Estado Islâmico para espalhar o terror nos seus próximos ataques. Como publicou o site “Notícias ao Minuto”, o grupo terrorista, nas redes sociais, publicou e divulgou uma carta onde garante que os “dias negros” na #Europa não terminaram e que agora, em vez de usarem bombas, vão usar armas Kalashnikov para matar nas ruas. O grupo pretende assim continuar o seu plano de aterrorizar todo o Ocidente e sobretudo todos os seus ideias e valores.

Em menos de cinco meses, o #Estado Islâmico, por meio de suas redes presentes no coração da Europa, matou quase 200 inocentes e feriu centenas em duas das maiores e mais importantes capitais da Europa, Paris e Bruxelas.

Publicidade
Publicidade

Por isso mesmo, as autoridades europeias garantem que nenhum país da Europa está seguro e os níveis de alerta #Terrorismo vão se manter nos níveis máximos.

Quanto ao Estado Islâmico, que passado poucas horas das duas explosões em Bruxelas, reivindicaram os atentados, garantiram, tal como já fizeram na altura dos ataques em Paris, continuar o seu plano de ameaça e terror aos europeus e principalmente aos países que estão participando diretamente na guerra na Síria, bombardeando quase diariamente os locais onde o maior grupo terrorista opera. "Depois das bombas, esperem mais soldados nossos com Kalashnikov nas ruas”, garantiu a mensagem publicada pelo grupo, tal como informa a imprensa internacional.

Em uma altura em que o número de mortes confirmadas em Bruxelas vai aumentado, bem como o número de feridos, que já são pelo menos 270, a Bélgica já abriu praticamente todos os transportes públicos e muitas escolas também já foram reabertas, tentando ao máximo que a sua população retome com a sua vida normal e que não mergulhe em um estado de pânico ou de medo.

Publicidade

Assim como informa a imprensa internacional, um dos responsáveis pelos atentados de ontem ainda está em fuga e, por isso mesmo, a Bélgica, bem como todos os países com que faz fronteiras, estão alerta máximo para o perigo que o radical representa para as populações.