As autoridades francesas estão investigando dois potenciais crimes cometidos pelo jovem imigrante português que sobreviveu à tragédia que matou 12 portugueses, quando estavam de viagem com destino a Portugal. Tal como informa o canal “SIC”, as autoridades revelaram que o jovem vai agora para uma clínica psiquiátrica para tentar recuperar um pouco emocionalmente. Completamente chocado, e depois de ter tido o pulso operado, o português foi interrogado pelas autoridades, mas acabou por não dizer nada verbalmente, mas demonstrou fisicamente o peso que foi ter causado acidentalmente 12 mortes dos seus compatriotas.

Depois de identificados todos os mortos, em um dos piores acidentes envolvendo imigrantes nos últimos anos na #Europa, as autoridades começaram por tentar descobrir o que de fato motivou uma tragédia tão grave.

Publicidade
Publicidade

Além da ilegalidade de transportar 13 pessoas em um minibus destinado para apenas seis pessoas, o jovem emigrante, que já tinha feito esses serviços no passado, não tem a idade mínima para dirigir um transporte de passageiros, que na Europa está fixado nos 21 anos.

Na verdade, e tal como está sendo informado pela imprensa internacional, o jovem, depois de recuperar totalmente em termos físicos e psicológicos, e ser novamente interrogado pela polícia, que apenas conseguiu analisar a linguagem corporal do adolescente, pode ser constituído arguido pelos dois crimes que estão sendo agora analisados pelas autoridades competentes. Caso seja considerado culpado, o jovem, que está muito perturbado, pode enfrentar graves acusações judiciais pelas ilegalidades e os crimes cometido que acabam por explicar um pouco o número elevado de mortos na trágica noite do passado dia 24 de março.

Publicidade

Agora, e depois de as autoridades terem revelado ao canal “SIC” o que o jovem vai fazer nos próximos dias até recuperar totalmente do choque inicial, a Polícia espera já conseguir obter um testemunho válido da parte do motorista, contudo isso não acontecerá antes do início da próxima semana. Nas aldeias portugueses, onde era natural o jovem e as 12 pessoas que morreram, muitos portugueses garantem que o adolescente era uma pessoa responsável e que, apesar de não ter licença para transportar um número tão elevado para pessoas, tinha jeito para dirigir. #Investigação Criminal