A Coreia do Norte continua dando o que falar, mas não pelo seu cruel sistema político ou pelas execuções absurdas ordenadas pelo ditador mimado Kim Jong-il, mas pelas constantes ameaças à segurança internacional com a produção de armas nucleares e testes de bombas com o mesmo potencial destrutivo.

O canal oficial no Youtube do DPRK Today, veículo de comunicação governamental da Coreia do Norte, divulgou um vídeo em que o país dá uma última chance para os #EUA, antes que sofram as ‘consequências de sua interferência’ na política nuclear da Coreia.

O vídeo possui legendas que narram a trajetória das relações entre Coreia do Norte e Estados Unidos, além de ‘exaltar’ a capacidade militar do país.

Publicidade
Publicidade

No final do vídeo, ocorre uma simulação computadorizada de um #Ataque nuclear em Washington, mostrando a bandeira dos EUA pegando fogo.

A ameaça se deve ao fato do ditador da Coreia do Norte achar que os EUA os ‘provocaram’, ao se juntar com a Coreia do Sul, França, França, Reino Unido, Austrália e Dinamarca para ficar de prontidão em Seul, além de realizarem exercícios militares conjuntos.

A Coreia do Norte sofreu duras sanções por parte da #ONU após quebrar as regras que regem o direito internacional ao fazerem um perigoso teste com uma bomba de hidrogênio e lançarem um satélite, mesmo após a proibição. Os EUA sempre apoiaram publicamente que fossem aplicadas rígidas represálias ao país norte-coreano pelas recentes condutas.

Segundo as sanções da Organização das Nações Unidas, todo material que entrar ou sair da Coreia do Norte deverá ser fiscalizado, bem como houve limitação e até proibição da exportação de titânio, ouro, ferro, carvão e minerais raros.

Publicidade

Kim está irritado com as sanções e não quer receber ‘ordens’ ou regras da comunidade internacional. Acredita-se que o ditador ainda realizará testes perigosos para todo o mundo.

As ‘brincadeiras’ de Kim podem desencadear uma guerra ou no mínimo, milhares de pessoas mortas por conta de suas ameaças de misseis. EUA também dispõe de armamentos nucleares para ‘emergências’.

A assessoria de imprensa da Casa Branca não comentou a ameaça até o fechamento dessa matéria.

Assista ao vídeo da ameaça: