A busca por uma enfermeira em New York City, desaparecida há três meses levou as autoridades a desenterrar todo o concreto recente colocado na frente de sua casa, informou a imprensa local nesta segunda-feira. O nome da enfermeira é Mahfuza Rahman. Ela tinha faltado ao trabalho por vários dias em dezembro, e os seus colegas, preocupados, chamaram o marido. A mulher tinha viajado para a sua terra natal em Bangladesh e gostaria de voltar no início de março, porém "Rahman ainda não atravessou as portas de Bellevue Hospital Center", contou ele.

Rahman, está desaparecida desde 4 de março onde colegas de trabalho testemunharam o ocorrido.

Publicidade
Publicidade

Na segunda-feira, a polícia começou a vasculhar o apartamento no Bronx de Rahman a procura de pistas sobre seu desaparecimento. Ela foi vista pela última vez deixando o hospital de Bellevue em 08 de dezembro. Os detetives buscam também encontrar mais pistas no segundo andar de seu apartamento onde a unidade canina farejou um suposto perfume da enfermeira. Fora isso, as autoridades estão desenterrando o concreto no exterior da casa. A polícia também está interessada em vários quartos dentro da casa que cuja pintura ainda estava fresca. Funcionários tomaram uma CPU e vários documentos da casa.

O marido da enfermeira, Mohammad Chowdhury, não está por perto para ajudar a investigação. Ele e sua filha deixaram os #EUA  para Bangladesh. Registros de viagens confirmam que Chowdhury e sua filha estavam em um voo para fora do país, mas até agora não há registros da suposta viagem de Rahman para Bangladesh.

Publicidade

De acordo com um vizinho chamado José Garcia, o homem pediu para ele vigiar a casa porque viajaria para seu país por duas semanas e depois disso nunca mais o encontrou. 

A polícia disse que 'jogo sujo' não é suspeito neste momento. "Neste momento, é uma investigação de pessoas desaparecidas", disse um oficial da polícia para o jornal The Daily News. "Nós não temos nenhuma evidência de #Crime. Ela poderia ter acabado de sair." O Bellevue Hospital Center não comentou sobre a investigação. #Violência