O grupo de hackers denominados “Anonymous” prometeu novamente guerra ativa contra o #Estado Islâmico, tal como já tinha acontecido no passado depois dos atentados de Paris. Tal como informa o site “Notícias ao Minuto”, o grupo garantiu que nos últimos meses já eliminou milhares de contas no Twitter relacionadas com o maior grupo terrorista do mundo e que também já contribuiu para “roubar” muito dinheiro na Internet que o grupo detinha. Com mais dois atentados a Bruxelas, o grupo revelou que ganhou ainda mais força para destruir de uma vez por todas a maior ameaça à paz do Ocidente.

Imprevisíveis e perigosos, o Estado Islâmico se tornou rapidamente o maior grupo terrorista do mundo graças ao seu poder nas redes sociais, uma ferramenta que o grupo usa regularmente para conseguir convencer milhares de jovens europeus a se juntarem ao radicalismo, para mais tarde provocarem o terror nos seus países de origem.

Publicidade
Publicidade

Por isso mesmo, e sabendo da importância da Internet para o crescimento e manutenção do Estado Islâmico, o conhecido grupo “Anonymous”, garantiu que cada vez mais esse poder online do grupo vai desaparecer graças aos brilhantes hackers com os quais o grupo conta no seu time, tal como informa o site “Notícias ao Minuto”. Considerado por muitos o grupo organizado mais temido do mundo, capaz de entrar em qualquer plataforma e até de arruinar bancos, o “Anonymous” revelou como vai destruir de uma vez por todas o Estado Islâmico: eliminar todas as contas que eles têm nas redes sociais, bem como todos os sites que incitam à violência radical e ao extremismo.

Com capacidade para ser mais eficaz que a Bélgica ou até mesmo a França na luta contra o #Terrorismo, o “Anonymous” diz estar farto de ver a liberdade das pessoas posta em causa e que por isso os atentados terroristas dos últimos meses nas capitais europeias têm que terminar.

Publicidade

Sabendo de todo o seu poder informático, o grupo considera que o combate à discriminação na Europa também é uma arma igualmente eficaz contra o Estado Islâmico, pois se tornaria cada vez mais difícil aos terroristas atraírem jovens que se sentem integrados em sociedades livres e democráticas.