Os exércitos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul já se mobilizam contra uma eventual atividade mais ousada do regime de Pyongyang. Neste sábado, os aliados realizaram exercícios militares por terra e no mar, na costa sul-coreana, como forma de treinamento, e também para dar uma resposta ao testes realizados pela Coreia do Norte com armas nucleares. Apesar de a Coreia do Norte ter sido alertada por inúmeras vezes nos últimos vezes, a expectativa de que um conflito armado ocorra na região aumenta a cada dia.

O regime de Pyongyang continua a desenvolver seu programa nuclear, mesmo com as seguidas sanções impostas pela Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).

Publicidade
Publicidade

A iniciativa do ditador Kim Jong-Un de tentar utilizar ogivas mais potentes e de longo alcance aumentou o grau de alerta na Ásia, já que os testes realizados em janeiro já apontaram elevado risco para a região, com tremores sentidos na Coreia do Sul, Japão e #China.

Entretanto, regime de Pyongyang classificou as manobras praticadas por Estados Unidos e Coreia do Sul como movimentações de guerra, precipitando uma resposta imediata do país, cada vez mais isolado politicamente. Segundo o governo norte-coreano, os militares estão prontos para executar um plano de defesa e contra-atacar se for necessário. O alvo mais óbvio de Kim Jong-Un é exatamente seu país vizinho, assim como o Japão. A China, uma das únicas potências que ainda apoiava com algumas restrições o regime de Pyongyang, não se manisfestou oficialmente

A Marinha dos Estados Unidos utilizou aproximadamente 55 caças e outros tipos de aviões nas manobras militares, além de deslocar 30 navios para a península coreana.

Publicidade

Os exercícios estão sendo realizados nas praias da cidade de Pohang. Neste momento, a intenção da principal potência ocidental é dar suporte aos sul-coreanos caso o regime de Pyongyang resolva atacar de forma brusca, já que o ditador Kim Jong-Un é conhecido por sua imprevisibilidade. O governante máximo da Coreia do Norte garante ter desenvolvido armas que têm o poder de alcançar qualquer nação do mundo. #Crise #EUA