Os Estados Unidos anunciaram que o terrorista Abd al Rahman Mustafa al Qaduli, considerado o segundo homem mais influente dentro da hierarquia do Estado Islâmico, foi aniquilado durante uma operação na Síria. O ataque comandado pelo exército norte-americano aconteceu na quinta-feira, dia 24 de março, e também teve como alvos outros membros considerados do alto escalão do grupo terrorista.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, assegurou que, nas últimas semanas, as tropas dos EUA realizavam operações em território sírio para capturar ou matar os principais mentores do #Estado Islâmico. Muitos deles se refugiaram no país comandado pelo ditador Bashar al-Assad, depois da captura de Sahah Abseslam, provável mentor dos atentados contra Paris, no dia 13 de novembro de 2015, com saldo de 130 mortos e centenas de feridos.

Publicidade
Publicidade

Ashton Carter comentou, em anúncio feito aos jornalistas, como foram realizados os cercos contra os jihadistas. "Estamos eliminando sistematicamente o gabinete do Estado Islâmico. De fato, matamos vários líderes do EI nesta semana, incluindo, achamos, que entre eles está Haji Imam, que servia como ministro das Finanças e era responsável por alguns assuntos externos e operações (terroristas)", afirmou o secretário de Defesa dos Estados Unidos.

Abd al Rahman Mustafa al Qaduli já havia sido membro do braço da #Al Quaeda, no Iraque, e estava se disfarçando no Oriente Médio através de diversos pseudônimos. Detalhes mais intrínsecos da operação não foram revelados pelo Pentágono, apesar de ser notório que as tropas norte-americanas, além de bombardeios, também se infiltraram em território sírio atrás de membros do Estado Islâmico.

Publicidade

Informações sobre os terroristas podiam render até US$ 7 milhões, devido ao valor para deter os líderes do EI.

A operação dos Estados Unidos agora tem como objetivo auxiliar as autoridades iraquianas a retomar a região de Mosul, invadida pelo Estado Islâmico. A intenção dos militantes terroristas é fazer da Síria e do Iraque uma zona própria, onde possam se estabelecer definitivamente. Com a guerra civil síria, o EI conseguiu ganhar terreno em pouco tempo, mesmo com as forças de coalizão tentando deter o avanço dos adversários. #Crise