Um ex-militante desapontado do ISIS (ou #Estado Islâmico do Iraque e da Síria) e do Exército Livre da Síria, que atende por nome de Abu Hamed, entregou hoje à imprensa britânica um documento contendo dados pessoais de 22 mil terroristas de mais de 50 países.

O documento entregue pelo ex-membro contém informações pessoais como nome, endereço, números telefônicos além de informações das famílias dos terroristas.

Os documentos também revelam que os terroristas de 51 países passaram por uma espécie de “processo seletivo”, ou seja, para entrar no grupo armado havia a necessidade de passar por uma avaliação com cerca de 23 perguntas, cujo conteúdo não foi divulgado.

Publicidade
Publicidade

Alguns dos nomes que constam nos documentos são de pessoas já conhecidas no Reino Unido. Um exemplo é o rapper Abdel Bary, de 26 anos de idade, que ingressou no ISIS em 2013.

Identificaram que no movimento terrorista existem também muitos membros oriundos do norte europeu, e uma grande parte do #Oriente Médio, Estados Unidos, África setentrional, Canadá e Reino Unido.

Os documentos apontam que apenas 3% dos combatentes do ISIS são sírios (1,7%) e iraquianos (1,2).

A Arábia Saudita tem a maior porcentagem em número de terroristas dentro do grupo, o equivalente a 26% dos combatentes são conterrâneos de Osama Bin Laden.

Excluindo os países que são árabes, a maioria dos combatentes terroristas é da Turquia, e em segundo lugar fica a França.

Traição no ISIS

Caso esse ex-combatente ainda estivesse no ISIS, é claro que seria executado.

Publicidade

Traição é um dos crimes que o grupo terrorista não tolera.

No início deste mês, o grupo acusou e executou Falah Abdulla al Saidaui (iraquiano), chefe da administração suprema dos combatentes. Ele foi condenado por crimes de traição e corrupção financeira, além de roubo dentro do próprio movimento.

Para julgar os combatentes, o grupo tem uma espécie de tribunal religioso. Esse tribunal também considera traição fugir de combates, além de ser considerado crime qualquer tipo de negligência ao grupo. Geralmente, nesses casos, aplica-se pena de morte aos terroristas criminosos. #Terrorismo