Tão logo teve um fim os atentados terroristas desta terça-feira, que matou no mínimo 34 pessoas na Bélgica, as autoridades locais deram início a uma aprofundada busca por todo o país. O grupo autoproclamando #Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques no metrô Maelbeek, em Bruxelas, e no aeroporto de Zaventem.

No meio do processo das buscas, promotores federais admitiram que encontraram importantes evidências, tais como uma bandeira característica da organização jihadista, explosivos, produtos químicos e um “dispositivo explosivo com pregos”.

As informações ainda são bastante desencontradas entre as autoridades belgas, mas, ao mesmo tempo, eles acreditam que dois dos terroristas responsáveis pelas explosões se suicidaram na ação.

Publicidade
Publicidade

Um terceiro homem teria conseguido fugir. Imagens de uma câmera de segurança indicaram o seu biotipo e suas vestimentas: jaqueta de cor clara, chapéu preto e óculos escuros.

Charles Michel, primeiro-ministro belga, expressou toda a sua frustração com relação aos atentados e garantiu que o pais aumentará o reforço em suas fronteiras. Na mesma linha, comunicou o decreto de luto oficial por um período de três dias. Segundo Michel, foram os ataques mais trágicos que já acometeram a Bélgica em seu período de paz.

Por outro lado, o Estado Islâmico seguiu ameaçando os países que lutam e trabalham contra o grupo. Na mesma nota em que reivindicou a autoria dos atentados na Bélgica, os jihadistas garantiram que essas nações terão “dias escuros” pela frente. #Ataque Terrorista