Adam Johnson conheceu hoje a sua sentença: seis anos de prisão por abusos sexuais a uma menor, que na altura tinha somente quinze anos. Assim como informa o jornal inglês “The Guardian”, após ter sido considerado culpado, o juiz inglês decidiu colocar o craque da Premier League, que atualmente jogava no Sunderland, na prisão nos próximos seis anos, o que colocará um ponto final da carreira brilhante do atacante, que até foi campeão inglês ao serviço do Manchester City há poucos anos.

Depois de ter assumido o #Crime, Adam Johnson aguardava que a #Justiça inglesa pudesse reduzir a pena ao inglês de 28 anos, porém hoje, dia 24 de março, o juiz responsável pelo caso, em um crime inédito para um jogador da Premier League ainda no ativo, decidiu colocar Adam Johnson atrás das grades para os próximos seis anos, após uma menina de 15 anos ter revelado o abuso sexual que sofreu do inglês, cerca de 13 anos mais velho que a jovem.

Publicidade
Publicidade

Tal como informa o jornal inglês “The Guardian”, Adam Johnson continua garantindo que apenas beijou a menor e que não teve qualquer tipo de envolvimento sexual com ela - o crime que acabou por ser considerado culpado e que fez com que o jovem jogador acabasse por ser preso por seis anos. Como é normal nesses casos, seguramente a defesa do condenado vai enviar recursos, com o objetivo principal de reduzir a pena ao máximo, tentando assim salvar a carreira esportiva do atacante.

Nas redes sociais, os fãs de futebol, principalmente os ingleses, demonstram estar indignados e revoltados com o que um dos melhores atacantes ingleses fez a uma menina menor, apoiando assim a decisão inédita e corajosa da justiça inglesa em condenar o craque, que tinha bastantes fãs e já tinha sido chamado várias vezes para representar internacionalmente a Inglaterra.

Publicidade

O Sunderland decidiu formalmente terminar o contrato que tinha com Adam Johnson, sendo que quando o inglês voltar a ser livre, terá que procurar um novo trabalho, que seguramente será bem diferente daquilo que ele fez nos últimos anos. #Europa